ASPL quer ser recebida pelo ministro da Educação. Docentes de grupos de risco é principal preocupação

Associação Sindical de Professores Licenciados reafirmou esta sexta-feira, 25 de setembro, o pedido de reunião urgente com Ministério da Educação para tratar das condições de trabalho nas escolas.

Máscaras N95

A ASPL – Associação Sindical de Professores Licenciados continua a insistir para ser recebida pelo ministro da Educação com urgência. São várias as preocupações, com destaque para os docentes que pertencem a grupos de risco. No ofício enviado esta sexta-feira, 25 de setembro, esta estrutura sindical frisa “a necessidade de docentes pertencentes a grupos de risco poderem continuar a beneficiar do direito a especial proteção”. Deverão ser resguardados do serviço presencial, ao abrigo do artigo 25º- A do Decreto-Lei n.º 20/2020, de 1 de maio, que continua em vigor, acrescenta o documento.

Obrigar estes docentes a entrarem em baixa médica, para além de forçado”, é, na perspetiva da ASPL, “errado”, na medida em que poderá ter como consequência que muitos alunos não venham a ter professor, quando os podiam ter em regime não presencial.

No documento dirigido ao ministro Tiago Brandão Rodrigues, a ASPL defende que “os docentes, pertencentes a grupos de risco, serão muito necessários ao sistema de ensino”, realçando que “serão também muito importantes para o reforço das aprendizagens, sobretudo ao nível dos apoios educativos, das coadjuvações, incluindo as coadjuvações em tutorias específicas, quer no vasto conjunto de tarefas que cabem ao diretor de turma, algumas das quais podem ser realizadas à distância.”

Uma semana depois do início do ano letivo com aulas presenciais, a ASPL não tem dúvidas de que “é preciso fazer mais e melhor” para assegurar as condições de saúde e segurança nas escolas. “Falta de assistentes operacionais nas escolas, turmas com elevado número de alunos e a impossibilidade de cumprimento do distanciamento físico mínimo exigido pela Direção Geral da Saúde são alguns dos aspetos mais preocupantes”, denuncia.

 

Relacionadas

Fenprof quer saber quais as escolas com casos de Covid-19 e o que está a ser feito

O maior sindicato de professores do país requereu ao Ministério da Educação informação sobre as escolas em que surgiram casos de contágio e as medidas tomadas para os evitar.
Recomendadas
Ana Rita Bessa

Colégios de ensino especial ameaçados pedem um milhão no OE2021

Em causa estão cerca de dez colégios que educam crianças com necessidades especiais. Ana Rita Bessa, do CDS-PP foi a parlamentar mais sensível ao problema, garantindo que vai apresentar propostas de alteração em sede de Orçamento do Estado.

Ministério da Educação quer manter escolas abertas

O ministro da Educação voltou esta segunda-feira a defender a importância de manter as escolas abertas com ensino presencial, mas reconheceu que essa é uma decisão das autoridades de saúde.

Estudo em casa regressa esta segunda-feira com incidência no básico e alargado ao secundário

Depois de cinco semanas em que a RTP Memória repôs blocos pedagógicos temáticos do ano anterior, arrancam esta segunda-feira, 19 de outubro, os programas do ano letivo 2020/21. Uma das novidades é a criação de um bloco de orientação para o trabalho autónomo.
Comentários