Asseco PST adquire maioria do capital da Finantech

A Asseco PST comprou 76% do capital da Finantech – Sistemas de Informação, SA.

A Asseco PST, empresa madeirense, com um centro de produção de software no Funchal, anunciou a compra da maioria do capital da Finantech, empresa líder nacional de desenvolvimento de software para o mercado de capitais.

“O negócio envolveu a compra de 76% do capital da Finantech – Sistemas de Informação, SA, aos três acionistas fundadores da empresa (João Marta da Cruz, António Jesus Ferreira e António Silva) que se manterão à frente dos destinos da empresa. A Finantech continuará a operar no mercado com a sua marca e a sua rede consolidada de parceiros, onde se incluem empresas como a Oracle, Microsoft, Six Group, Reuters, Morningstar e Euronext, entre outras”, refere a Asseco PST.

O CEO da Asseco PST, Daniel Araújo, sublinha que esta operação vai de encontro aos objetivos estratégicos de crescimento e diversificação que a empresa tem procurado implementar nos últimos dois anos nas várias geografias onde opera. “Trata-se do culminar de um processo negocial que nos permite assumir uma posição de controlo numa empresa de referência e líder de mercado na sua área de atividade”, afirma.

Daniel Araújo sublinha que entre os motivos para a aquisição da Finantech estiveram o potencial de sinergias cruzadas entre a Asseco PST e a Finantech, “existindo uma grande complementaridade na oferta das duas empresas. Uma realidade que, estamos certos, iremos aprofundar e capitalizar de ora em diante”.

A Finantech tem mais de 90 colaboradores, e cerca de duas dezenas de clientes em Portugal, incluindo os cinco maiores grupos bancários a operar no nosso mercado. Está presente em Angola e Cabo Verde, onde possui 10 clientes no conjunto destas duas geografias. Em 2020, a empresa teve um volume de negócios da ordem dos 5 milhões de euros.

O presidente do conselho de administração da Finantech, João Marta da Cruz, referiu que esta venda é uma oportunidade de crescimento para a empresa. “Estamos agora mais bem preparados para reforçar a oferta a clientes, solidificar a liderança neste segmento de negócio e beneficiar do know-how e experiência, nacional e internacional, de uma grande organização como a Asseco PST”.

A Asseco PST está em oito mercados, em três continentes, e possui mais de 60 bancos na sua carteira de clientes. Está presente nos mercados lusófonos, incluindo Portugal, onde possui a sua sede, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, e está também na Namíbia e Malta.

A empresa tem 80% da sua faturação fora de Portugal.

Em 2020 teve um volume de negócios de 37,4 milhões de euros. Emprega cerca de 420 colaboradores, dos quais 85% estão em Portugal, e está desde 2015 integrada na multinacional Asseco Group, um dos maiores fornecedores europeus de software, cotado internacionalmente nas Bolsas de Varsóvia, Tel Aviv e NASDAQ, em Nova Iorque.

Ler mais
Recomendadas

Presidente da Assembleia da Madeira destaca capacidade da UMa em afirmar valores no território nacional e internacional

O presidente da Assembleia Regional sublinhou que a Universidade da Madeira (UMa) faz parte da nossa identidade insular, mas que nos projeta em Portugal e no mundo”. José Manuel Rodrigues considerou que a UMa reúne todas as condições para “continuar a crescer e a desenvolver-se”, acrescentando que “sendo uma universidade que está envolvida na comunidade regional, não pode perder o caráter universalista que devem ter todas as universidades”.

Madeira: PS pede a Rui Barreto e CDS-PP esclarecimentos sobre alegado financiamento ilegal

Os socialistas madeirenses consideram que os factos denunciados num trabalho da SIC são “graves e colocam em causa a ética e a transparência” exigidas a responsáveis políticos. O PS Madeira reforçam que é preciso um esclarecimento “imediato, cabal e rigoroso sobre o relacionamento entre o principal financiador do Chega e o líder do CDS-PP Madeira”.

Presidente da Assembleia da Madeira apela a partidos para “não inquinarem trabalhos parlamentares” por causa das autárquicas

O presidente da Assembleia da Madeira afirmou que “a Assembleia Legislativa é o primeiro órgão de Governo próprio. Existe para discutir as grandes questões regionais e não para discutir questões municipais ou para fazer campanha eleitoral”.
Comentários