Assembleia da República aprova voto de pesar pelas vítimas mortais da Covid-19

A iniciativa que se refere às mortes como “a expressão mais violenta da pandemia” da Covid-19, devido ao seu carácter “irreversível”, foi aprovada por todos os deputados presentes na sessão plenária desta quinta-feira.

A Assembleia da República aprovou esta quinta-feira um voto de pesar proposto pelo presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, pelas vítimas mortais da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A iniciativa que se refere às mortes como “a expressão mais violenta da pandemia” da Covid-19, devido ao seu carácter “irreversível”, foi aprovada por todos os deputados presentes na sessão plenária.

“A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, expressa o seu pesar pelas vítimas mortais da Covid-19, endereçando às famílias enlutadas a sua solidariedade e as mais sinceras condolências”, afirmou Eduardo Ferro Rodrigues, ao ler o voto de pesar que ele próprio apresentou.

No documento, o Parlamento reconhece que, em Portugal, graças às medidas restritivas implementadas pelo Governo, “que se traduziram em limitações a alguns direitos, liberdades e garantias” (sobretudo no que toca aos direitos de circulação), foi possível atenuar a transmissão mais acelerada do novo coronavírus e, assim, moderar alguns dos efeitos mais nefastos da pandemia”, destacando ainda o “empenho” de toda a sociedade.

Os deputados concordam que a Assembleia da República, enquanto órgão de soberania, deve acompanhar de forma “permanente” o avançar da situação epidemiológica no país e deve fazer “uma cuidada fiscalização da ação do Governo e da Administração, em especial do conjunto de medidas extraordinárias e de caráter urgente de resposta à crise que Portugal e os portugueses atravessam”.

“Portugal e os portugueses têm sabido mobilizar-se, de forma empenhada, disciplinada, paciente e serena, respondendo ao repto das Autoridades de Saúde e cumprindo as medidas tomadas, evitando situações de risco (para os próprios e para os outros), dando provas da sua grande capacidade de resistência e o grande empenho em vencer esta enorme provação. Uma crise que é de saúde pública, mas é também económica e social”, disse Eduardo Ferro Rodrigues.

Os dados da Direção-Geral de Saúde (DGS) revelados esta quinta-feira mostram que, até à meia-noite, havia 9.034 casos confirmados de infeção pela Covid-19 em Portugal. Foram registados ainda 209 mortes no país e 68 casos recuperados. Há ainda 4.958 pessoas a aguardar resultados.

Ler mais
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários