Associação exige saber se forças policiais detetaram carro de António Costa a 200 km/h na A1 (com áudio)

A Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados quer saber se as forças policiais detetaram os excessos de velocidade dos automóveis em que seguiam o primeiro-ministro e o ministro do Ambiente e se o carro em que seguia Eduardo Cabrita quando foi atropelado um trabalhador na A6 se “foi invocada a marcha urgente”. Organização recorda recomendação da Provedoria de Justiça de que “nem todo o serviço público justifica a inobservância das regras e dos sinais de trânsito”.

A Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M) exige saber se as forças policiais detetaram o carro de António Costa na A1 a circular a 200 km/h, conforme revelado pela “CMTV”.

“Se as forças policiais detetaram, e se foi levantado auto, de uma alegada infração dos veículos da comitiva do Primeiro Ministro, António Costa, detetados em excesso de velocidade, quando circulavam na A1, alegadamente a 200km/h no passado dia 12/7/2021”, segundo uma carta enviada por esta associação GNR, PSP, gabinete do primeiro-ministro e dos ministros da Justiça e Administração Interna, Provedora de Justiça, Inspetora-Geral da Segurança Interna e Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Na missiva, exige que seja cumprida a recomendação 4-A/2011 da Provedoria de Justiça. Nesta recomendação, é sinalizado que “nem todo o serviço público justifica a inobservância das regras e dos sinais de trânsito”.

O então Provedor de Justiça, Alfredo José de Sousa, entendeu que a GNR, PSP e a ANSR “devem organizar e manter atualizados registos de entidades do Estado cujos veículos e condutores foram fiscalizados e invocaram ou suscitaram o serviço urgente de
interesse público, e devem divulgar anualmente tais registos”.

A associação exige agora saber, por um lado, se a ANSR cumpre a recomendação e se “mantém e divulga anualmente os registos dos autos levantados pelas forças policiais no âmbito de infrações por parte das viaturas oficiais, que tenham alegado seguir em marcha urgente de interesse público; se essas alegações são averiguadas pela ANSR e, caso sejam divulgadas publicamente, onde é possível consultá-las”.

Por outro lado, quer um esclarecimento pela PSP e GNR se “levantam os autos de contra-ordenação rodoviária sempre que presenciam situações de inobservância das regras e os sinais de trânsito por parte das viaturas oficiais alegadamente em marcha urgente de interesse público”.

Além da viatura do primeiro-ministro, também exigem saber se a forças policias detetaram o ministro do Ambiente a circular na A2 “,alegadamente a 200 km/h e sem assinalar marcha de urgência, e numa estrada nacional de acesso à A2 a quase 160km/h na mesma circunstância, no passado dia 5/7/2021”.

E se as forças policiais detetaram, e se levantaram auto, “de uma alegada infração do veículo em que seguiam as Secretárias de Estado das Comunidades Portuguesa e da Valorização do Interior, detetado em excesso de velocidade, quando circulavam na A1, alegadamente a 170/h no passado dia 12/7/2021”, também noticiado pela CMTV.

Na carta, assinada por Manuel João Ramos, presidente da ACA-M, também são exigidos esclarecimentos à ANSR e à GNR  “se no caso do atropelamento mortal na A6, ocorrido no dia 18/06/2021, que envolveu um veículo da comitiva do ministro da Administração Interna, foi invocada a marcha urgente de interesse público e, se sim, quais os motivos alegados para a sua justificação”, disse, referindo-se ao atropelamento de um trabalhador pelo carro em que seguia Eduardo Cabrita.

A Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados foi criada em 1999 e tem como objetivo “promover o fim da guerra civil nas estradas portugueses”, propondo defender os “direitos humanos e cívicos dos transeuntes portugueses (sejam eles condutores, passageiros ou peões”.

Relacionadas

Carro de António Costa fez 300 kms da A1 em menos de duas horas

A contraordenação de António Costa é considerada pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária como “muito grave” e está sujeita a uma multa que varia entre os 500 euros e os 2.500. Circulação em alta velocidade foi revelada pela “CMTV”.

Carro do ministro do Ambiente circulou a 160 quilómetros por hora numa estrada nacional

A “TVI” revelou imagens do carro em que seguia o ministro do Ambiente – um BMW com motor de combustão interna, e não o carro elétrico em que se desloca em Lisboa a 200 quilómetros hora na autoestrada. O condutor seguiu uma hora em alta velocidade antes de ligar as luzes de emergência. Ministro diz que não se recorda de circular a esta velocidade.

Acidente na A6: BMW de Eduardo Cabrita seguia a mais de 200 km/h

A notícia é avançada este sábado pelo jornal “Nascer do Sol”, com base em testemunhos e investigações. Falta ainda a perícia ao automóvel, que deverá ser feita nos próximos dias.
Recomendadas

“Conversas com Norte”. “Precisamos da ciência para enfrentar o futuro”, defende responsável do ISCTE

A importância da ciência, num cenário pós-pandemia, é um dos temas abordados no livro “67 Vozes por Portugal – A Grande Oportunidade”, da Editora Leya, uma iniciativa do ISCTE Executive Education. Trata-se de um livro que junta as visões do futuro de Portugal por 67 personalidades portuguesas, entre empresários, artistas, gestores, académicos e tantos outros. José Crespo de Carvalho, presidente da Comissão Executiva do ISCTE, foi convidado a apresentar o livro no “Conversas com Norte” desta semana. Ouça a entrevista no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify.

Infografia | Novo mapa autárquico abala hegemonia socialista com epicentro em Lisboa

A conquista da capital por Carlos Moedas foi a principal de uma série de vitórias do centro-direita nas eleições autárquicas de 26 de setembro. O PS mantém a liderança em número de câmaras e de votos, assegurando a terceira vitória consecutiva, mas as coligações ajudaram o PSD a recuperar terreno. Para o PCP e PEV volta a repetir-se o pior resultado de sempre, restando-lhes 19 autarquias.

5G: Vodafone Portugal interpõe providência cautelar contra novas regras do leilão (com áudio)

Na sexta-feira, as propostas dos operadores no leilão totalizaram 371,4 milhões de euros, no 179.º dia de licitação principal. Na União Europeia, Portugal e a Lituânia são os únicos países sem ofertas comerciais de 5G.
Comentários