Associação quer apoiar empreendedores migrantes e refugiados em Portugal

“Já há mais de 420 mil migrantes e 1.600 refugiados dispersos pelo país A informação e a legislação não esta facilmente disponíveis”, afirma Fidélio Guerreiro ao Jornal Económico. A segunda edição da Feira do Empreendedorismo Migrante realiza-se este fim de semana, em Lisboa.

Os empreendedores estrangeiros têm um novo representante em Portugal, que os promete ajudar a escalar pequenas empresas que tenham criado. A Associação Empresarial de Migrantes e Refugiados de Portugal (AEMIREP), fundada em janeiro, pretende criar uma rede de cooperação entre fundações, associações e autarquias e agilizar o processo documental que legalize ou exclua os interessados viver e investir no país num prazo máximo de três meses.

Liderada por Fidélio Guerreiro, esta entidade sem fins lucrativos surgiu de uma exigência concreta de 48 empresas migrantes. “A informação e a legislação não esta facilmente disponíveis pois, já há mais de 420 mil migrantes e 1.600 refugiados dispersos pelo país, com maior concentração em Lisboa, Algarve e Setúbal. Apesar do enorme esforço que o Alto Comissariado para as Migrações (ACM) tem feito, não é possível responder a tantas solicitações e com tanta dispersão geográfica”, explicou ao Jornal Económico o antigo vice-presidente da AIP – Associação Industrial Portuguesa.

Fidélio Guerreiro também teve o seu percurso enquanto empreendedor. Começou por trabalhar na norte-americana Control Data, mas criou o seu próprio negócio Vervite – Embalagem de Portugal e presidiu à Associação Empresarial da Região de Setúbal e ao Movimento “Pensar Setúbal”. Na sua opinião, as startups fazem parte de uma estratégia bem delineada pelo IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, que qualifica e avalia as iniciativas oriundas qualquer parte do mundo, no âmbito de uma rede de incubadoras certificadas existentes em todo país.

No entanto, o engenheiro considera que é necessário separar os grandes investimentos de estrangeiros, que “têm tratamentos próprios especializados”, dos pequenos projetos de empresários migrantes e refugiados, onde “existe muita vontade, mas os apoios são completamente insuficientes”. “Não basta integrar e ajudar a fazer projetos. Torna-se fundamental acompanhar os empresários num prazo mínimo de três anos para aumentar o quadro de sucesso das empresas, cujos riscos nesta fase são enormes”, defende, em declarações ao semanário.

A apresentação AEMIREP surge a par com a segunda edição da Feira do Empreendedorismo Migrante, que se realiza este fim de semana (entre os dias 4 e 5 de maio), no Museu de Lisboa. Este ano vão participar 62 empresas de 15 países, com cerca de 100 expositores, e a organização espera que o encontro possa gerar clusters na cultura e artesanato e fomentar a inovação e o uso de novas tecnologias. “A grande atração dos estrangeiros, sejam migrantes ou refugiados, passa pela segurança do país, quarto ao nível mundial e, pela maneira extremamente simpática e acolhedora como são recebidos pelos portugueses”, afirma. O evento é financiado pelo Plano Municipal de Integração de Migrantes 2018-2020 da Câmara Municipal de Lisboa e apoiado pela EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural e Alto Comissariado para as Migrações, entre outras organizações.

Paralelamente, esta semana abriram também as candidaturas ao 6º programa Launch In Lisbon, que ajuda empreendedores estrangeiros a fixarem-se em Portugal. A formação é organizada pela incubadora Startup Lisboa em conjunto com a seguradora Fidelidade e parceiros como a sociedade de advogados PLMJ, as consultoras Deloitte e Moss&Cooper, a empresa de recrutamento Hays e a imobiliária JLL .

Ler mais
Recomendadas
Supermercados

Vendas do Grupo DIA caíram 9% em 2019, mas há uma tendência de mudança em Portugal

O grupo retalhista presente no mercado nacional garante sinais de inflexão de queda na operação em Portugal, mas não revela números.

Coronavírus: Ligações da Easyjet a partir de Portugal para Itália não serão afetadas por enquanto

A easyJet diz que, por enquanto, os voos da companhia entre Portugal e Itália não estão afetadas e que está a acompanhar o evoluir da situação no norte de Itália, onde o Covid-19 já matou 14 pessoas e infetou pelo menos 400.

PremiumAntonoaldo Neves diz que obras na Portela podem causar acidentes

Antonoaldo Neves defende solução alternativa proposta pela consultora PASSUR. Confrontada pelo JE, concessionária aeroportuária rejeita críticas da TAP e diz que restantes companhias “não se queixam”.
Comentários