Até Paulo Cafôfo saudou o bom resultado do PSD-Madeira nas eleições europeias

O socialista presidente da Câmara do Funchal recorreu às redes sociais para saudar o desempenho da lista adversária, que reelegeu a madeirense Cláudia Monteiro de Aguiar para o Parlamento Europeu, onde passará a contar com a companhia da nova aposta socialista Sara Cerdas.

João Homem de Gouveia

A vitória destacada da lista do PSD para as eleições europeias na Região Autónoma da Madeira, com mais de 11 pontos percentuais de vantagem sobre o PS e conseguindo quase mais dez votos do que em 2015, quando os sociais-democratas se candidataram em conjunto com o CDS-PP, foi reconhecida por um dos raríssimos derrotados da noite de domingo entre as hostes socialistas. O presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, que pretende pôr fim ao domínio do PSD no Governo Regional da Madeira, recorreu às redes sociais para saudar o desempenho da lista adversária, que reelegeu a madeirense Cláudia Monteiro de Aguiar para o Parlamento Europeu, onde passará a contar com a companhia da nova aposta socialista Sara Cerdas.

“Parabéns a todos os que votaram, independentemente do partido, e que tomaram a opção pela democracia. Lamento a elevada abstenção, a verdadeira vencedora das eleições. Saúdo a candidata do PSD-M pela votação obtida nestas eleições”, escreveu Cafôfo, destacando que, terminado o ciclo das europeias, está iniciado o caminho para as regionais, agendadas para 22 de setembro. “O nosso foco está em fazer história, mas mais do que isso, fazer a diferença na vida dos madeirenses e porto-santenses. Com trabalho, humildade, muito empenho, coragem e total determinação. A vontade de mudança é imparável. Vamos a isto!”, escreveu o autarca funchalense.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Tenho um enorme orgulho na eleição da Sara Cerdas para o Parlamento Europeu. Uma grande candidata que será uma excelente eurodeputada, que defenderá a Madeira e representará todos os madeirenses e porto-santenses. Uma aposta ganha do PS-M em trazer novos cidadãos para a política, uma aposta que nos honra na escolha de uma jovem mulher, de uma nova geração qualificada e muito bem preparada. Parabéns  a todos os que votaram , independentemente do partido, e que tomaram a opção pela democracia. Lamento a elevada abstenção, a verdadeira vencedora das eleições. Saúdo a candidata do PSD-M pela votação obtida nestas eleições. Hoje acabaram as europeias e amanhã iniciamos as regionais. O nosso foco está em fazer história, mas mais do que isso, fazer a diferença na vida dos madeirenses e porto-santenses. Com trabalho, humildade, muito empenho, coragem e total determinação. A vontade de mudança é imparável. Vamos a isto!

Uma publicação compartilhada por Paulo Cafôfo (@pauloancafofo) em

Certo é que os resultados das europeias estiveram longe de constituir o melhor pontapé de saída para as ambições de Cafôfo, sendo pelo contrário animadoras para o atual presidente do Governo Regional (e seu antecessor na Câmara do Funchal), Miguel Albuquerque. Muitíssimo acima da média nacional de 21,94%, o PSD obteve 37,15% na Madeira, com 36.928 votos, enquanto o PS ficou por 25,81%, com 25.657 votos (ainda assim mais 3,2 pontos percentuais do que em 2015). Outra má notícia teve a ver com o resultado positivo do CDS-PP, que foi a terceira força política madeirense nas europeias, com 8,08% e 8.033 votos, acima dos 5,29% do Bloco de Esquerda, dos 3,70% do PAN e dos 2,97% da CDU, sendo estes últimos potenciais parceiros de uma eventual nova maioria na Assembleia Regional liderada pelos socialistas.

Ao domínio social-democrata na região autónoma nas eleições europeias só escaparam os concelhos de Machico e Porto Moniz, tendo o PSD suplantado o PS entre os eleitores de Funchal, autarquia conquistada por Cafôfo desde 2013, por ligeiramente mais do que o proverbial poucochinho. A lista que elegeu Cláudia Monteiro de Aguiar obteve 33,72% e 14.635 votos, tendo mais 6,39 pontos percentuais e 2.774 eleitores do que a lista que incluiu Sara Cerdas.

A médica de 30 anos, antiga atleta de natação, foi uma escolha pessoal de Paulo Cafôfo, que se empenhou na campanha eleitoral e a descreveu, após serem conhecidos os resultados oficiais, como “uma grande candidata que será uma grande candidata”. Esse apoio levou ao afastamento da também madeirense Liliana Rodrigues, outra “baixa” numa renovação de largo espetro da delegação do PS em Estrasburgo que também levou à saída de Francisco Assis, Ana Gomes, Maria João Rodrigues, Ricardo Serrão Santos e Manuel dos Santos.

Nas eleições regionais de 2014 o PSD-Madeira obteve a maioria absoluta, com 24 deputados e 44,35% dos votos, sendo o CDS-PP a segunda força política, com sete mandatos e 13,71%. O PS teve um péssimo resultado, alcançando apenas 11,43% (e a seis mandatos) apesar de estar coligado com o PTP, PAN e MPT, pouco acima do Juntos Pelo Povo (JPP), com 10,28% e cinco deputados.

Recomendadas

Regulador americano autoriza terceira dose da Pfizer para idosos e adultos de risco

A Food and Drug Administration (FDA) anunciou que os adultos com mais de 65 anos podem receber a terceira dose da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, desde que seis meses após a segunda dose. A autorização estende-se ainda a adultos que estejam em risco elevado de contrair complicações severas após a infeção.

Miguel Gouveia diz que votar na Coligação Confiança é a “garantia da liberdade que se vive e sente” no Funchal

O candidato da Coligação Confiança considerou que no próximo fim-de-semana, “estaremos à altura da confiança dos funchalenses, porque ninguém quer voltar para trás, ninguém quer voltar a um passado de má memória, em que esta Câmara era um mau exemplo para todas as Câmaras do país, em termos financeiros, urbanísticos, na causa animal, na igualdade e na sustentabilidade e, acima de tudo, era um mau exemplo na liberdade que deve caracterizar o poder local autónomo”.

Governo não vai obrigar a englobamento de rendas no IRS

“O Governo não está a estudar ou a preparar para este Orçamento do Estado o englobamento de rendimentos prediais nem de juros de depósito”, disse fonte do Executivo ao “Observador”.
Comentários