Atenção aos falsos rastreios de saúde, alerta Deco

Para além da abordagem enganosa, estamos também perante vendas agressivas, em que consumidores assinam um contrato que não querem e/ou que nem entendem na totalidade e, muitas vezes, nem têm dinheiro para pagar.

Recebi um telefonema do (supostamente) meu centro de saúde, convocando-me um rastreio da diabete. Disseram-me ainda que de acordo com o meu quadro clínico e a minha idade teria mesmo de fazer este rastreio, que era gratuito. Bastava dirigir-me a um centro comercial. Mas, e após um simples teste ao nível da glicemia, saí de lá com um aparelho médico que não sei para que serve e que custou 2.500€00. Preciso da vossa ajuda para resolver este problema! Não posso pagar este aparelho, nem tão pouco preciso dele!”

Este relato é uma encenação de centenas de reclamações recebidas na DECO. Telefonemas falsos que oferecem rastreios de saúde, prémios e descontos que não são mais do que graves armadilhas do consumo.

Os consumidores são influenciados a comprar produtos e/ou tratamentos bastante dispendiosos, conhecendo-se inclusivamente situações em que não dispondo da quantia solicitada como sinal, os consumidores são acompanhados pelo comercial a uma caixa multibanco para efetuarem o levantamento do montante em causa.

O público-alvo destas campanhas são frequentemente pessoas com mais de 60 anos, para que a necessidade de “a partir de determinada idade ser importante fazer exames regulares” seja credível e leve estes consumidores ao engano, forçando-os a comprar aparelho ou equipamentos relacionados com a saúde, como sejam os medidores de tensão arterial ou da glicémia.

Para além da abordagem enganosa, estamos também perante vendas agressivas, em que consumidores assinam um contrato que não querem e/ou que nem entendem na totalidade e, muitas vezes, nem têm dinheiro para pagar.

A DECO alerta todos os consumidores para este tipo de práticas comerciais desleais e informa que estes contratos podem ser cancelados no prazo de 14 dias, prazo de livre resolução, devendo para tal contactar, através de carta registada com aviso de receção, a empresa reclamada, devendo guardar cópia da carta e dos registos de envio. Não esquecer que devem sempre solicitar o reembolso dos montantes já pagos.

Quando o prazo de 14 dias, a contar desde a assinatura do contrato, já foi ultrapassado mas o consumidor não recebeu em sua casa o equipamento ou não tem cópia do contrato e respetivas condições, poderá ainda resolver o seu conflito. Os 14 dias só começam a ser contados a partir da entrega do produto. Mais, se o comercial não informou claramente o consumidor sobre os seus direitos na livre resolução do contrato, o prazo para cancelamento do negócio é alargado para 12 meses.

Contacte o nosso gabinete de apoio ao consumidor. Vamos ajudá-lo!

Procure-nos em: DECO MADEIRA na Loja do Munícipe do Caniço, Edifício Jardins do Caniço loja 25, Rua Doutor Francisco Peres; 9125 – 014 Caniço; deco.madeira@deco.pt; ou contacte-nos para o número: 968 800 489.

Ler mais
Recomendadas

Teletrabalho e benefícios não financeiros vão acelerar a médio prazo

Crise do coronavírus impôs disrupção nos benefícios extrassalariais este ano. Mas o futuro passa por aí, nomeadamente por um aumento da flexibilidade nas formas de trabalhar e nas compensações.

Quanto pode poupar ao transferir o crédito pessoal para outro banco?

Caso tenha solicitado um empréstimo ao consumo em anos recentes e esteja a suportar uma TAEG elevada, sabia que poderá obter poupanças avultadas se transferir o crédito pessoal para outro banco?

Seis dicas para não cair nas fraudes de aplicações maliciosas

A empresa de software portuguesa Go4Mobility, ligada às comunicações móveis e aos serviços digitais lançou conselhos para escapar aos ciberataques que proliferam em tempos de crise como o que se vive com esta pandemia.
Comentários