Atenção. GNR está na estrada a fiscalizar a circulação. É melhor manter-se à direita

Quem não circula nas via da direita pode sujeitar-se a uma multa que pode ir dos 60 aos 300 euros e arrisca-se a ficar inibido de conduzir por um período de dois meses a dois anos, perdendo quatro pontos na carta de condução.

Começa esta segunda-feira mais uma operação de fiscalização da Guarda Nacional Republicana (GNR), desta vez focada em combater a circulação abusiva pela vias do meio e da esquerda, quando não há trânsito na faixa de rodagem da direita.

Até dia 2 de abril, as autoridades vão fiscalizar a circulação rodoviária nas autoestradas e em vias reservadas a automóveis e motociclos. Esta ação de sensibilização, trata-se de uma segunda fase da operação Via Livre, que se prolongou até este domingo, dia 26.

Em comunicado, a GNR relembra aos mais incautos que “a prática da circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda sem que exista tráfego nas vias mais à direita, para além de constituir infração ao Código da Estrada, causa constrangimentos à segurança rodoviária e à fluidez de tráfego”, podendo potenciar outras infrações por parte dos condutores.

O Código da Estrada considera como infração muito grave a circulação nas vias da esquerda e do meio, punível por lei. Quem não circula nas via da direita pode sujeitar-se a uma multa que pode ir dos 60 aos 300 euros e arrisca-se a ficar inibido de conduzir por um período de dois meses a dois anos, perdendo quatro pontos na carta de condução.

Recomendadas

Fundos podem ser “empurrão” europeu para o futuro das cidades

Sempre com a sustentabilidade na mira, a Comissão Europeia pretende promover, como parte da recuperação pós-pandemia, alterações para melhorar a qualidade e condições de vida das populações urbanas.

Resposta dos municípios à pandemia foi dada por apoios e alterações nos processos

Municípios reagiram à pandemia de Covid-19 com apoios a empresas e cidadãos, mas foram também forçados a alterar processos e formas de comunicação para responderem às necessidades e ultrapassarem os contrangimentos criados.

SOS Racismo diz que SEF atentava contra direitos dos imigrantes e aplaude extinção

“Esta antiga reivindicação, assumida não só pelo SOS Racismo, mas também por várias associações de imigrantes e outras da sociedade civil, fundamenta-se na evidência do que é a história deste organismo, desde a sua génese, herança direta do fascismo”, afirma a associação em comunicado.
Comentários