“Athena Factor”. Número de mulheres super-ricas cresce a um ritmo mais elevado do que os homens

Dos 2.101 multimilionários no mundo, 233 são mulheres. Apesar de ser um valor residual, a UBS defende que nos últimos cinco anos, o crescimento anual de mulheres multimilionárias ultrapassou o dos homens.

Apesar de ainda serem poucas, as mulheres já se começam a juntar à lista dos multimilionários no mundo.  Segundo o estudo da UBS “Billionaire Insights report 2019“, publicado esta sexta-feira, o número de multimilionárias cresceu 46% num espaço de cinco anos, de 160 para 233 no total. Mesmo sendo uma minoria na lista, o crescimento é mais notável entre as mulheres já que o número de multimilionários aumentou 39%, no mesmo período.

Segundo relatório do banco suíço, os ativos das multimilionárias cresceu mais de um quarto (26%) para 871,2 mil milhões de dólares (871,2  mil milhões de euros) impulsionados principalmente pelo progresso na Ásia.

Em 2015, a UBS já tinha identificado a vaga de crescimento de mulheres multimilionárias, tendo mesmo chamado-lhe de “Athena Factor”, em homenagem à deusa grega da sabedoria, coragem e inspiração. Mais de metade (57%) das multimilionárias já eram empreendedoras no final de 2018.

Quatro em 10 das multimilionárias  que surgiram nesse ano desenvolveram negócios no setor de consumo e retalho. Por exemplo, Li Haiyan e Shu Ping tornaram-se multimilionárias depois do IPO de 2018 da sua cadeia de restaurantes Haidilao, que está atualmente em fase de expansão para fora da China.

Nos EUA, Anastasia Soare, uma empresária romena-americana que fundou a marca de beleza Anastasia Beverly Hills, também viu o seu património a chegar aos mil milhões. Na Rússia, Tatyana Bakalchuk, ex-professora de inglês e mãe de quatro filhos, tornou-se bilionária quando fundou a Wildberries e tornou-se na maior retalhista online daquele país.

Existem atualmente 2.101 multimilionários no mundo (com fortunas de mais de mil milhões de euros), mais 589 pessoas (ou 38,9%) comparativamente face à cinco anos.

Apesar disso, a riqueza total caiu pela primeira vez em cinco anos em 2018, devido a “um forte dólar americano, atrito comercial, temores de menor crescimento económico e volatilidade do mercado financeiro”, concluiu o estudo do banco suíço.

Segundo os dados, nesse ano, a riqueza derrapou 4,3% em 388 mil milhões de dólares para 8.5 biliões (7,6 biliões de euros), com a queda a ser mais acentuada a ser registada na China, a segunda maior “casa” de milionários do mundo.

Mesmo com a desaceleração do crescimento no ano passado, a riqueza bilionária é um terço mais alta (34,5%) do que à cinco anos atrás, totalizando um aumento de 2,2 biliões de dólares (1,9 biliões de euros) este ano.

Ler mais
Relacionadas

Mundo tem mais multimilionários, mas a sua riqueza diminuiu

Os supericos norte-americanos foram os únicos que não sofreram danos em 2018. No final do ano, a região abrigava cerca de 749 bilionários, com uma riqueza combinada de 3,6 biliões de dólares (3,2 biliões de euros).

Mulheres ganham menos 149,70 euros que os homens em Portugal

Esta diferença salarial ainda existente, indica que a disparidade salarial em Portugal corresponde a uma perda de 54 dias de trabalho remunerado para as mulheres.

Web Summit conta com 70.469 participantes e quase metade são mulheres

“O evento vai receber 70.469 participantes de 163 países, com um grande número de visitantes vindos do Reino Unido, Alemanha, Brasil, Estados Unidos, entre outros”, refere a Web Summit.
Recomendadas

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.

Ministério Público está investigar descarrilamento de Alfa Pendular

Questionada na sexta-feira pela Lusa, a PGR confirmou hoje “a instauração de inquérito” relativo ao descarrilamento do Alfa Pendular. Segundo a PGR, o inquérito foi aberto na primeira secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra.

Primeiros 12 drones de vigilância das florestas já foram entregues à Força Aérea

A aquisição dos drones por parte da Força Aérea portuguesa foi financiada, na sua totalidade, pelo Fundo Ambiental do governo. Os drones representam um investimento inferior quando comparado aos meios aéreos tripulados, a que se junta a capacidade de permanecerem no ar durante mais tempo (12 horas), reforçando assim a sua importância na ajuda à prevenção/combate dos incêndios em Portugal.
Comentários