Atira beatas para a via pública? Coimas até 250 euros aprovadas na AR

O texto final, que teve por base um projeto de lei apresentado pelo PAN, determina a proibição de atirar pontas de cigarro para a via publica e a aplicação de multas entre os 25 e os 250 euros aos infratores.

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira, em plenário, a proibição de atirar pontas de cigarro para a via publica e a aplicação de multas entre os 25 e os 250 euros aos infratores. O texto final, que teve por base um projeto de lei apresentado pelo PAN, recebeu os votos favoráveis de todas as bancadas, à exceção do PCP.

A versão final do diploma continua a classificar o ato de deitar as pontas de cigarro para a via pública como uma “contraordenação ambiental leve”, mas alivia as coimas aplicáveis. Inicialmente, o PAN queria sanções a começar nos 500 euros para particulares e 9 mil para as empresas, mas, após discussão na especialidade, ficou decidido que a coima pode ir de 25 e 250 euros.

O texto elenca também que os estabelecimentos comerciais, aqueles onde decorram atividades lúdicas, bem como “todos os edifícios onde é proibido fumar” deverão “dispor de cinzeiros e de equipamentos próprios para deposição dos resíduos indiferenciados e seletivos”, sob pena de enfrentarem uma coima mínima de 250 euros e máxima de 1.500.

A ASAE e as Câmaras Municipais ficam responsáveis pela instrução dos processos e a aplicação das coimas, , sendo que o dinheiro será distribuído pelo Estado (50%), entidade autuante (20%) e entidade que instruiu o processo (30%).

O texto inicial do PAN foi aprovado na generalidade em 14 de junho, tendo merecido os votos favoráveis de PS, PAN, BE e PEV, os votos contra da bancada do CDS-PP e a abstenção de PSD, PCP e de cinco deputados do CDS-PP, incluindo a presidente do partido, Assunção Cristas.

Recomendadas

PCP propõe cancelar leilão do 5G e criação de um operador de telecomunicações público

PCP considera que o 5G representa uma oportunidade de criar “um serviço público e universal de telecomunicações em Portugal”. Por isso, propõe “uma mudança estratégica no desenvolvimento do setor das telecomunicações”.

Iniciativa Liberal quer que lugares de topo nas entidades reguladoras sejam escolhidos por concurso internacional

A medida consta de um projeto de lei apresentado por João Cotrim Figueiredo, que visa reforçar a independência dos reguladores face “aos reguladores e ao poder político” e assegurar uma “maior abrangência” e maior “nível de competência” das instituições.

Primeiro-ministro francês pede que não se baixe guarda perante ressurgimento da doença

O primeiro-ministro francês pediu esta segunda-feira aos franceses e aos serviços do Estado que “não baixem a guarda” face ao ressurgimento da Covid-19, para que não seja preciso voltar a impor um “confinamento geral”.
Comentários