Ativos por impostos diferidos podem levar Estado a ficar com 13% do Novo Banco

“Há três anos para o Estado tomar a decisão de conversão”, disse António Ramalho, ao mesmo tempo que reconheceu que “se pusermos tudo em cima da mesa, até ao momento o Estado tem direito a converter os créditos fiscais em 13% do capital do Novo Banco”. Essa fatia teria de ser retirada ao Fundo de Resolução.

António Ramalho | Cristina Bernardo

“Estamos a proceder aos depósitos necessários”, disse António Ramalho em resposta aos deputados sobre a conversão dos ativos por impostos diferidos (DTA) gerados ao abrigo do regime especial REAID em 2014, na Comissão de Orçamento e Finanças.

O CEO do banco referia-se a uma reserva especial para os ativos por impostos diferidos (DTA) que foram convertidos em créditos tributários nos exercícios em que a instituição gerou perdas.

Os Ativos por Impostos Diferidos (DTA – Deferred Tax Assets) elegíveis para capital são os que estão abrangidos pelo REAID (regime especial aplicável aos ativos por impostos diferidos).

Todos os bancos que em 2014 aderiram ao regime especial dos ativos por impostos diferidos, que criou uma categoria especial de DTA não dependentes de rendibilidade futura e elegíveis para efeitos de fundos próprios de nível 1, estão sujeitos à conversão obrigatória em créditos fiscais, o que implica que os bancos que recebam esses créditos tenham de criar depósitos a favor do Estado junto do IGCP, no montante do crédito tributário acrescido de 10%.

“Há três anos para o Estado tomar a decisão de conversão”, disse António Ramalho, ao mesmo tempo que reconheceu que “se pusermos tudo em cima da mesa, até ao momento o Estado tem direito a converter os créditos fiscais em 13% do capital do Novo Banco”. Essa fatia teria de ser retirada ao Fundo de Resolução porque o acordo de venda de 75% do Novo Banco ao Lone Star impede operações que impliquem a redução da participação do fundo norte-americano.

Logo esses 13% teriam de ser “cedidos” pelo Fundo de Resolução que tem 25% do Novo Banco, ficando o fundo com menos. Tal como já foi noticiado, é o Fundo de Resolução que tem a responsabilidade exclusiva de ressarcir o Estado na conversão dos créditos fiscais em ações do Novo Banco, no âmbito desse regime especial, e por isso os bancos seriam penalizados no futuro porque participariam menos nas mais valias que deverão ser geradas pela venda do Novo Banco.

A conversão dos DTA especiais é feita ao abrigo do regime criado em 2014 pelo governo PSD/CDS-PP que deu aos bancos a garantia de que os ativos por impostos diferidos acumulados (resultantes da diferença entre os custos contabilísticos com imparidades ou provisões e os reconhecidos para efeitos fiscais) podem ser convertidos em créditos fiscais ou pode ser pedida a sua devolução em qualquer momento futuro, sem limite temporal.

No entanto, esses ativos por impostos diferidos só têm de ser convertidos em créditos fiscais se o banco registar prejuízos nas contas individuais, ou se o banco for para liquidação. O Novo Banco tem apresentado prejuízos desde 2014.

Esse regime acabou em 2016, mas os ativos acumulados até 31 de dezembro de 2015 podem continuar a ser usados.

No período entre 2015 e 2018, segundo a auditoria da Deloitte, havia 405 milhões de euros relativos a montantes convertidos/a converter em créditos tributários, ao abrigo do Regime Especial aplicável aos Ativos por Impostos Diferidos.

 

Relacionadas

SAD do Benfica deu autorização a Ramalho para violar sigilo bancário

“Fiz um pedido excecional ao presidente da SAD do Benfica para que me libertasse do sigilo bancário”, disse António Ramalho na COF desta terça-feira, 15 de setembro, depois de questionado pela deputada Cecília Meireles sobre o uso da linha de financiamento que estava aberta desde 2017 e que foi utilizada em 2020.

DGComp impediu Ramalho de prometer flexibilizar o plano acordado em 2017

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, revelou ainda que Bruxelas não lhe permite qualquer flexibilidade para alterar os objetivos acordados no plano de negociação.

“Nós contamos para o défice estes anos, vamos contar para o superavit nos próximos 20 anos”, diz CEO do Novo Banco

O CEO do Novo Banco confessou que esperava ter consigo gerar mais resultados no banco recorrente, mas lembrou que o BCE impôs ao Novo Banco imparidades adicionais de 1,5 mil milhões de euros “o que nos retirou capacidade de financimento pelo banco bom”.
Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

BES: Pareceres atribuem prejuízos da recompra de obrigações à administração que sucedeu a Salgado

Dois pareceres juntos pela defesa de Ricardo Salgado no processo do Eurofin atribuem à gestão que lhe sucedeu a responsabilidade pelos prejuízos gerados pela recompra das obrigações BES e que levaram à sua condenação pelo supervisor.
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.
Comentários