Aumentar complexidade de produção tem um impacto esperado no rendimento ‘per capita’ potencial entre 307 e 335 euros

Diversificação da estrutura produtiva da cadeia de valor aeroespacial, ou seja, com maior complexidade económica, terá um forte impacto para o crescimento da economia, segundo estudo publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS).

Darren Staples/Reuters

Portugal deverá apostar na produção de máquinas e equipamentos, produtos químicos, plásticos, borracha e produtos nestes materiais e material de transporte como bens ‘chave’ para impulsionar a competitividade da economia portuguesa. Esta é a conclusão de um estudo apresentado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), esta quarta-feira, na Jornada de Economia e Competitividade, realizada no Porto.

O estudo “Diversificação e crescimento da economia portuguesa”, coordenado pela professora da Universidade Católica do Porto Leonor Sopas, prevê que uma diversificação da estrutura produtiva,com maior complexidade económica, nomeadamente do setor aeroespacial, tem um impacto esperado no rendimento per capita potencial português entre os 307 e 335 euros.

“É interessante notar que estes valores são apenas ligeiramente superiores aos alcançados com uma eventual aposta em produtos-oportunidade na secção de máquinas e equipamentos, que são menos exigentes em termos de novas capacidades a desenvolver”, identificam os autores.

Os autores do estudo defendem que será possível aumentar o rendimento per capita futuro de um país tornando a sua estrutura produtiva mais complexa, sendo para tal “desejável desenhar políticas públicas que promovam a diversificação produtiva, nomeadamente desenvolvendo as capacidades necessárias ao fabrico de produtos complexos”.

Neste sentido, sublinham a existência de conhecimento e tecnologia “que podem ser facilmente adquiridos no mercado mundial”, mas que existe “conhecimento que apenas existe no cérebro das pessoas, sendo difícil de transmitir porque não é totalmente traduzível em palavras, códigos ou materializado em objetos”.

“Trata-se de conhecimento tácito, de saber-fazer, que neste estudo designamos por capacidade. A transmissão de capacidades ocorre através de processos demorados de imitação e repetição, envolvendo aprendizagem por tentativa e erro, o que explica as dificuldades e lentidão observadas na sua difusão à distância”, realçam.

Identificam ainda que as empresas e outras organizações do cluster das tecnologias de produção devem responder a quatro condições institucionais consideradas indispensáveisprodução: o aprofundamento da cooperação entre empresas, assim como entre estas e as universidades; a atração e formação de jovens, conferindo-lhes qualificações específicas para trabalharem nas empresas do cluster; uma maior estabilidade do financiamento à investigação e à inovação; e a promoção da visibilidade do cluster, ao nível nacional e internacional.

Ler mais
Relacionadas

“Os dois maiores criadores de emprego estão a desacelerar”, alerta Fórum para a Competitividade

“Há um conjunto de indicadores preliminares sobre o 3º trimestre que apontam para a desaceleração que já tínhamos previsto, sobretudo na construção e no turismo, os dois maiores criadores de emprego. Também os indicadores de confiança, sobretudo dos consumidores, estão em queda, tal como na indústria”, alertam os economistas.
Recomendadas

Alta Comissária da ONU chegou a Caracas para analisar crise política, económica e social

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet iniciou quarta-feira uma visita de três dias à Venezuela, país que enfrenta uma grave crise política, económica e social que forçou mais de 4 milhões de venezuelanos a emigrar.

Acionistas da Goggle pediram relatório de impacto nos direitos humanos no regresso do motor à China

Um grupo de acionistas do Alphabet, dona do Google, pediu que a empresa prepare um relatório sobre o impacto nos direitos humanos de um possível regresso do famoso motor de pesquisa à China, com uma versão censurada.

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.
Comentários