Aumento da procura faz disparar salários de engenheiros

A procura quase duplicou, desde novembro de 2016, fazendo aumentar os salários em cerca de 15%, revela a Michael Page no Dia Nacional do Engenheiro, que se assinala esta segunda-feira.

Atualmente, os perfis de engenharia têm todos muita procura”, afirma o consultor sénior da Michael Page Engineering & Property no Porto, João Santos, traçando o mapa da procura: “25% são engenheiros de manutenção, 25% engenheiros de processo, 20% supervisores de produção e a restante percentagem distribui-se pelas áreas de qualidade, logística e produto”.

Desde novembro de 2016, a procura quase duplicou, fazendo aumentar também os salários em cerca de 15%, salienta o responsável da Michael Page.

Na indústria, por exemplo, em Lisboa, um responsável de manutenção poderá ganhar entre 40 e 60 mil euros brutos anuais. No Porto, o intervalo entre o máximo e o mínimo é mais esbatido: entre 44 e 58 mil euros.

Já o salário de um engenheiro de processos varia entre 26 e 42 mil euros em Lisboa e 23 e 39 mil euros no Porto. Os valores para as funções de engenheiro de qualidade variam entre 28 mil euros e 34 mil euros em Lisboa, e 24 mil euros e 32 mil euros no Porto.

No setor da construção, um chefe de obra poderá auferir entre 31 mil e 45 mil euros em Lisboa; e entre 31 mil e 43 mil euros se for no Porto. No caso de um engenheiro de gabinete técnico, o salário varia entre 22.500 euros e 30 mil euros para Lisboa, e entre 15 mil e 25 mil euros para o Porto. A função de responsável de gabinete técnico pode auferir um salário entre 28 e 35 mil euros em Lisboa, e 24 e 35 mil euros no Porto.

Ao nível das competências, as empresas valorizam candidatos com background técnico, com competências comunicacionais e de relacionamento interpessoal e que saibam idiomas. Da parte dos candidatos e com muita oferta disponível, estes privilegiam o pacote salarial que inclua também uma remuneração variável, bem como flexibilidade horária e seguro de saúde, explica Pedro Mira Martins, executive manager da Divisão da Michael Page em Lisboa.

Recomendadas

Há 52.242 vagas para estudar no ensino superior em 2021/22. Áreas digitais crescem 3% face ao ano passado

A primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior arranca dia 6 de agosto e traz mais 385 vagas nos ciclos de estudo com maior concentração de melhores alunos, com exceção de Medicina. A candidatura é online no site da Direção-Geral do Ensino Superior.

Instituições de ensino e formação procuram combinação virtuosa entre presencial e online

Na mesa redonda do JE sobre Os Desafios da Formação em Portugal, esta sexta-feira, Manuel Fontaine, diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, e Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, revelam como estão a preparar o próximo ano letivo. Jorge Lopes, diretor da Rumos Formação, diz ter a expectativa de que as empresas portuguesas voltem a investir em formação e a Rumos está preparada para responder.

Da sala de aula para o ensino a distância: três exemplos de adaptação em tempo recorde

Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, Jorge Lopes, Diretor da Rumos Formação, e Manuel Fontaine, Diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, contam como as suas instituições enfrentaram e venceram a pandemia da Covid-19. Foi esta sexta-feira, 30 de julho, na mesa redonda Os Desafios da Formação em Portugal, promovida pelo Jornal Económico.
Comentários