Áustria vai apresentar plano alternativo à proposta franco-alemã

“Nos próximos dias vamos apresentar uma proposta com as nossas ideias”, disse o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, numa entrevista ao diário Oberösterreichische Nachrichten publicada hoje no ‘site’ do jornal.

A Áustria anunciou hoje que vai apresentar com outros países um plano alternativo à proposta franco-alemã para um fundo de recuperação europeu, defendendo que não seja financiado por dívida comum e seja distribuído através de empréstimos.

“Nos próximos dias vamos apresentar uma proposta com as nossas ideias”, disse o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, numa entrevista ao diário Oberösterreichische Nachrichten publicada hoje no ‘site’ do jornal.

“Pensamos que é possível impulsionar a economia europeia evitando a mutualização da dívida”, acrescentou.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, apresentaram na segunda-feira uma proposta de um fundo de recuperação para União Europeia (UE) de 500 mil milhões de euros, financiado por emissão de dívida pela Comissão Europeia e distribuído a fundo perdido, através de subvenções.

Sebastian Kurz adiantou que o Governo austríaco está a manter consultas com a Holanda, Dinamarca e Suécia, um grupo de contribuintes líquidos a que Viena sente “que pertence”.

O chanceler austríaco admitiu que ficou surpreendido com o plano apresentado pela Alemanha e pela França.

“Naturalmente é legítimo que dois países, e sobretudo dois grandes países, proponham algo […], mas a decisão deve ser tomada por todos os Estados-membros da UE”, disse.

Pouco antes da publicação da entrevista, o ministro das Finanças austríaco, Gernot Blüme, reiterou a oposição de Viena ao plano.

“Mantemos a rejeição do financiamento de subsídios não reembolsáveis. Precisamos de investimentos no futuro e não de cobrir os custos das dívidas do passado”, disse Blüme depois de participar numa reunião por videoconferência com os homólogos da UE.

“Não aceitaremos dívida mutualizada sob o pretexto da crise” económica e social provocada pela pandemia de covid-19, insistiu o ministro, citado pela agencia APA.

A Comissão Europeia vai adotar e apresentar a 27 de maio as suas propostas do orçamento plurianual da UE para 2021-2027 e do fundo de recuperação da economia europeia no quadro da crise da covid-19.

As propostas, há muito aguardadas, serão assim apresentadas mais de um mês depois de os chefes de Estado e de Governo da UE terem solicitado ao executivo comunitário a sua formulação com caráter de urgência, numa cimeira celebrada por videoconferência em 23 de abril último.

O fundo de recuperação é considerado o grande instrumento da UE para ultrapassar a crise da covid-19, que, segundo estimativas da Comissão Europeia, provocará uma contração recorde de 7,7% do PIB da zona euro este ano e de 7,4% no conjunto da União.

Relacionadas

Costa considera “excelente” o plano franco-alemão mas avisa que há aspetos em aberto

O primeiro-ministro considerou hoje “uma excelente proposta” o plano franco-alemão para a criação de um fundo de recuperação europeu de 500 mil milhões de euros baseado em subvenções, mas advertiu que há “importantes” aspetos em aberto.

Holanda, Áustria, Dinamarca e Suécia continuam a defender Fundo de Recuperação com empréstimos

Depois da apresentação da proposta franco-alemã, os quatro países marcaram posição e continuam a resistir à possibilidade de que a ajuda financeira no âmbito do plano de recuperação europeu chegue sob a forma de empréstimos.

Macron e Merkel propõem fundo de recuperação de 500 mil milhões de euros

Eixo Berlim-Paris apresentou publicamente uma proposta para que o plano de recuperação europeu ascenda aos 500 mil milhões de euros. A Comissão Europeia congratula a proposta e diz que vai na direção que o executivo comunitário está a trabalhar. 
Recomendadas

Confiança dos consumidores da zona euro recua quase 1 ponto de setembro para outubro

A confiança dos consumidores recuou quase um ponto, de setembro para outubro, quer na zona euro, quer na União Europeia (UE), divulgou hoje a Comissão Europeia.

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.
Comentários