Rui Moreira: “Lufthansa transporta hoje mais passageiros para o Porto do que a TAP e não custa um cêntimo ao erário público”

“O que para a TAP é mau negócio parece ser bom negócio para a Lufthansa, companhia de bandeira que hoje transporta mais passageiros de e para o Porto do que a TAP e não custa um cêntimo ao nosso erário público”, disse Rui Moreira depois de nova polémica esta semana com as rotas da companhia aérea na cidade invicta.

Lusa

Rui Moreira voltou a criticar a TAP e a sua postura em relação à cidade do Porto. Depois da polémica esta semana devido às declarações do ministro das Infraestruturas no Parlamento, o autarca do Porto volta agora a criticar a companhia aérea num artigo de opinião publicado no Expresso, intitulado: “É difícil gostar de quem nos abandona”.

“Se o interesse estratégico é, apenas, o de promover Lisboa, então concentrem a operação na capital mas disponibilizem verbas proporcionais ao Norte, ao Algarve, à Madeira e aos Açores, que seguramente não terão dificuldade em encontrar outros motores, e outros operadores aéreos que apostarão na sua retoma”, escreveu o autarca nas páginas do Expresso.

“Sei que alguns continuarão a dizer que se a TAP não oferece serviço ao Porto é porque esse não é um bom negócio. Disseram-no quando era semiprivada e continuarão a dizê-lo agora. Curiosamente, o que para a TAP é mau negócio parece ser bom negócio para a Lufthansa, companhia de bandeira que hoje transporta mais passageiros de e para o Porto do que a TAP e não custa um cêntimo ao nosso erário
público”,   segundo Rui Moreira.

A nova polémica começou esta semana quando o ministro das Infraestruturas no Parlamento disse que quatro rotas a partir do Porto estavam a dar prejuízos à TAP.

“Depois de tomarmos uma posição mais assertiva na empresa, ainda antes de estar fechado o negócio [compra da participação de David Neeleman pelo Estado português] foram abertas quatro rotas no Porto – Amesterdão, Milão, Zurique e Ponta Delgada. Nestas quatro rotas estamos com 46% da lotação em média. Foram criadas em resposta a um desafio que foi lançado e são neste momento um prejuízo para a TAP”, afirmou Pedro Nuno Santos.

Depois das declarações do ministro, o autarca do Porto reagiu esta sexta-feira. “Pelos vistos, são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo à TAP. As rotas de Lisboa darão lucro. Se são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo, pare com elas. Mas, por favor, incorpore a TAP na Carris ou na muito rentável Soflusa. Nós não nos importamos, havemos de encontrar uma solução”, disse Rui Moreira nas redes sociais.

Um dia depois, o ministro das Infraestruturas veio corrigir o tiro e disse que há mais rotas da TAP a dar prejuízo, não só as do Porto. “A TAP está neste momento a perder dinheiro em praticamente todas as rotas, incluindo aquelas que se fazem a partir do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Esse é, como é visível, o cenário em praticamente todo o setor da aviação”, disse o ministério das Infraestruturas na sexta-feira.

Segundo a tutela, atualmente “existem 11 rotas operadas pela TAP a partir do Porto e que, apesar de praticamente todas as companhias estarem a reduzir fortemente a operação no Inverno, a TAP vai manter 10 rotas no Porto. Ou seja, apenas uma a menos do que no Verão. Isto demonstra o grande compromisso da companhia aérea pública com a região”.

Pedro Nuno Santos diz que rotas do Porto não são as únicas a dar prejuízo à TAP. Invicta fica com 10 rotas no inverno

Ler mais
Relacionadas

Pedro Nuno Santos diz que rotas do Porto não são as únicas a dar prejuízo à TAP. Invicta fica com 10 rotas no inverno

As rotas da TAP no Porto voltam a criar polémica. Depois do ministro ter dito ontem no Parlamento que quatro rotas da invicta estavam a dar prejuízo à TAP, hoje vem dizer que não são as únicas. Rui Moreira voltou hoje a criticar fortemente a postura da TAP para com o Porto. Governo diz que Porto vai ficar com 10 rotas da TAP no inverno, menos uma que atualmente.

Pedro Nuno Santos: quatro rotas a partir do Porto estão a “dar prejuízo” à TAP

O ministro das Infraestruturas disse hoje o objetivo no plano de reestruturação é que a companhia aérea mantenha o seu centro operacional no aeroporto de Lisboa.

TAP pode vir a operar aviões mais pequenos a partir do Porto e Faro para combater low cost

O objetivo seria voar a partir destas duas cidades usando os aviões da Tax Express para aeroportos mais baratos na Europa, normalmente fora das grandes cidades, para fazer concorrência a companhias aéreas low cost como a Ryanair, Easyjet e Transavia. Medida está a ser estudada no âmbito do plano de reestruturação.

Norte recusa que aeroporto do Porto fique como “patinho feio” da TAP

O presidente do Conselho Regional do Norte reconheceu esta sexta-feira que a TAP atravessa um momento “complexo”, mas defendeu que o aeroporto do Porto “não pode ficar sinalizado como o patinho feio da transportadora aérea”.

TAP vai perder 1.600 trabalhadores este ano

O ministro das Infraestruturas fez hoje um ponto de situação na companhia aérea que é maioritariamente detida pelo Estado português. Até agora, saíram 1.200 trabalhadores da empresa e vão sair mais 400 até ao final do ano.

Madeira: PSD denuncia “inadmissível aproveitamento” da TAP nos preços cobrados em voo entre Caracas e Lisboa

Os sociais democratas criticaram a “falta de respeito e de aproveitamento” da TAP, e acusam a companhia aérea de usar a comunidade da Venezuela. “Exigimos mais respeito”, afirmou Carlos Fernandes, deputado do PSD.
Recomendadas

Airbus regista prejuízo de 2.686 milhões de euros até setembro

A empresa assumiu também um encargo de 1,2 mil milhões de euros para custos de reestruturação, que, tal como anunciado em junho, implicará uma redução da mão-de-obra em 15 mil efetivos, de um total de 130 mil trabalhadores.

Lucros da Telefónica caem 50% para 1.142 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Segundo a Telefónica, as receitas operacionais antes da depreciação caíram 2,8%, para 2.672 milhões de euros, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina.

Lucros da EDP Renováveis descem 7% até setembro

A queda dos lucros deve-se ao recuo da produção de eletricidade que, por sua vez, se deve à venda de ativos com uma potência superior a 1 gigawatt.
Comentários