Autarca do PSD André Ventura lança movimento para destituir Rui Rio

O vereador do PSD em Loures André Ventura vai lançar na próxima semana o movimento Chega, para substituir Rui Rio na liderança e colocar o partido no “espectro ideológico do centro-direita português”.

Em comunicado, André Ventura afirma que o movimento “tem como grande objetivo a eleição de uma nova liderança do PSD e a apresentação, a todas as distritais do partido, de um documento global de compromisso com os valores da social-democracia portuguesa, ao arrepio do que tem promovido a direção” de Rui Rio, presidente eleito em janeiro.

O candidato social-democrata à câmara de Loures acrescentou que, “já na próxima semana” será criado “um espaço ‘on-line’ para que todos os militantes e simpatizantes possam inscrever-se”.

Em seis frases tipo palavra de ordem, André Ventura afirma ser necessário dizer “chega” de “compromissos e servilismo com a esquerda e com a extrema-esquerda” ou ainda de “guerrilha constante contra os militantes, candidatos e dirigentes do PSD”, que atribui à direção de Rio.

O movimento proposto por André Ventura defende ainda que “chega de neutralidade ideológica em temas fundamentais como as minorias, o casamento homossexual ou a eutanásia” ou ainda a de “dar a mão ao Bloco de Esquerda no aumento de impostos, alguns deles completamente disparatados” como a taxa para travar a especulação imobiliária, batizada pelo CDS como “taxa Robles”.

Ventura pretende, igualmente, “evitar a contínua sangria de militantes históricos do PSD” como Pedro Santana Lopes, que criou um novo partido, Aliança, ou António Martins da Cruz, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, cuja desfiliação foi noticiada na sexta-feira.

Recomendadas

Catarina Martins: “Existem estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos”

A líder do Bloco de Esquerda acusa “os partidos da direita” de “hipocrisia” por “defenderem as reivindicações sindicais”, alerta para “estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos” e diz que “não faz sentido esta corrida para o défice zero”.

PSD acusa Governo de “destruir” Serviço Nacional de Saúde

No último debate quinzenal do ano, Fernando Negrão considerou que as políticas adotadas na área da saúde são “as mais preocupantes” desta legislatura e afirmou que o Governo não tem “respeito nenhum” pelos sindicatos e pelas ordens.

Assunção Cristas: “Este é o Governo dos impostos máximos e dos serviços públicos mínimos”

No último debate quinzenal do ano, a líder centrista defendeu que a contestação que se faz sentir nas ruas se deve às falsas expectativas criadas pelo Executivo, que “diz ter virado a página da austeridade quando tem a maior carga fiscal de sempre”.
Comentários