Auto-regulação de ‘corporate governance’ já está em vigor

A CMVM deixou esta semana de estar responsável pela fiscalização do cumprimento das recomendações corporativas. O regulador mantém a ‘hard law’, enquanto o Instituto Português de Corporate Governance ganha novas responsabilidades.

Cristina Bernardo

O modelo de auto-regulação de corporate governance já entrou em vigor, passando a supervisão do cumprimento das recomendações para o Instituto Português de Corporate Governance (IPCG). A partir desta semana, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) revogou o Código de Governo das Sociedades de 2013, dando lugar ao código do IPCG.

O código do IPCG já existia e as empresas podiam escolher segui-lo, mas em termos práticos, todas as cotadas seguiam o conjunto de recomendações delineado pela CMVM, segundo explicou João Gião, do conselho de administração do regulador, ao Jornal Económico. “A CMVM retira-se para dar lugar ao IPCG”, afirmou sobre a mudança.

“A CMVM vai manter as funções atuais  de regulação e vai continuar a supervisionar os deveres de transparência”, explicou Gião. Significa que o regulador continua com com três grandes responsabilidades: assegurar que as empresas escolhem um código de corporate governance; que fazem a divulgação do Relatório do Governo da Sociedade que é obrigatório por lei e que a informação cumpre os requisitos do Código de Valores Mobiliários.

A CMVM está a ver a mudança como uma progressão natural já que aplicou o código de governo porque não houve iniciativa por parte do próprio mercado, tal como aconteceu em outros países. O membro do conselho de administração da CMVM sublinhou que a comissão irá continuar a olhar para o cumprimento destes parâmetros.

“A fiscalização do cumprimento ou não das recomendações é que passa para o IPCG, ou seja, a peer pressure para que as entidades cumpram”, acrescentou Gião, que diz esperar que o novo modelo resulte numa fiscalização global “mais robusta”.

O IPCG irá contar com o apoio da AEM – Associação de Empresas Emitentes de Valores Cotados em Mercado e com a Euronext Lisbon para a monitorização, acompanhamento e revisão do Código de Governo das Sociedades IPCG 2018. Para isso, foi constituída a comissão de acompanhamento e monitorização do código.

Assim, a CMVM mantém-se responsável pela hard law, que implica a parte sancionatória, e o IGCP fica com a soft law, isto é monitoriza  aplicação das recomendações, mas sem a parte sancionatória associada. A entrada em vigor do novo modelo de auto-regulação acontece três meses depois da assinatura do protocolo entre as duas entidades.

Segundo António Gomes Mota, presidente do IPCG, o objetivo do instituto é “promover a observância prática dos princípios de bom governo das sociedades e dialogar, de forma permanente e construtiva, com todos os agentes do mercado, visando a consolidação das melhores práticas de governo societário em Portugal e, assim, contribuir para o desenvolvimento e afirmação do mercado de capitais nacional”.

Ler mais

Relacionadas

‘Corporate Governance’: a hora da autorregulação

Trata-se de um acordo histórico e de um marco relevante no desenvolvimento político, económico e social no contexto nacional, considerando a relevância do setor a que se aplica.

Autorregulação chega em 2018. CMVM e IPCG lançam novo Código de Corporate Governance

Um novo Código de Governo das Sociedades vai entrar em vigor a 1 de janeiro e o anterior será revogado. A CMVM mantém-se responsável pela “hard law”, que implica a parte sancionatória, e o IGCP fica com a “soft law”, isto é, monitoriza aplicação das recomendações, mas sem a parte sancionatória associada.

CMVM e IPCG assinam protocolo para novo Código de Corporate Governance

Esta iniciativa constitui uma etapa decisiva do processo de transição para um modelo de autorregulação neste domínio, em que tanto a CMVM como o IPCG se têm empenhado e corresponde a uma solicitação dos agentes do mercado, diz o regulador do mercado de capitais.
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários