PremiumAutoeuropa em risco de parar a produção já esta semana

A partir de ontem, dia 3 de dezembro, três armadores internacionais, a McAndrews, a Tarros, e a Arkas, deixaram de escalar o porto de Setúbal, desviando os contentores maioritariamente para os portos espanhóis de Vigo e de Santander e provocando uma quebra de 70% nas cargas contentorizadas do porto sadino.

Rui Minderico/Lusa

A Autoeuropa está em risco de parar a produção, de forma parcial ou mesmo total, durante a presente semana, apurou o Jornal Económico junto de diversas fontes ligadas ao processo.

Esta decisão terá de ser tomada em função do insucesso, ocorrido na passada sexta-feira, dia 30 de novembro, do processo negocial entre estivadores do SEAL – Sindicato de Estiva e Atividades Logísticas e operadores do porto de Setúbal, mediado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

 

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Jorge Mendes já vendeu mais de mil milhões em jogadores de clubes portugueses. Comissões superam os 100 milhões

O superagente está envolvido na transferência de João Félix para o Atlético de Madrid que poderá atingir os 120 milhões de euros.

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.
Comentários