Autoeuropa está a produzir 100 viseiras por dia para doar a hospitais

Apesar da produção automóvel estar suspensa até 12 de abril, a Autoeuropa e os seus trabalhadores quiseram juntar-se à luta contra a epidemia do coronavírus em Portugal.

Luis Viegas

A Autoeuropa está a produzir viseiras para doar a hospitais em todo o país. Apesar da produção automóvel permanecer suspensa devido à epidemia do novo coronavírus (Covid-19), uma parte da fábrica está a produzir 100 viseiras por dia.

A ideia partiu de alguns trabalhadores da empresa, explica fonte oficial da Autoeuropa ao Jornal Económico, sublinhando que as viseiras são para doar aos hospitais.

Esta foi a forma da fábrica portuguesa da Volkswagen e dos seus trabalhadores de contribuírem para a luta contra esta epidemia que já provocou 140 mortes e mais de 6.400 casos confirmados em Portugal.

A produção começou na semana passada, com as “primeiras máscaras a serem doadas aos hospitais de Setúbal e do Barreiro, mas neste momento estão a ir para todo o país”, disse ao JE o coordenador da comissão de trabalhadores da Autoeuropa, Fausto Dionísio.

“Estamos agora a produzir 100 máscaras por dia e os pedidos têm surgido de norte a sul do país”, afirma Fausto Dionísio.

Até agora, cerca de 10 a 15 trabalhadores estavam a participar na produção das viseiras, mas este número deve aumentar, pois este equipamento já está a ser produzido em dois turnos, segundo o coordenador.

As viseiras de proteção facial fazem parte da lista de equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) aos profissionais de saúde.

Já a produção automóvel na fábrica de Palmela vai continuar suspensa até dia 12 de abril, disse o coordenador da CT.

Recomendadas

Rendibilidade das empresas sobe no segundo trimestre, mas continua aquém dos níveis pré-pandemia

Por sector de atividade, a rendibilidade do ativo (rácio entre os resultados antes de amortizações, depreciações, juros e impostos das empresas -EBITDA- e o total de ativo) das empresas privadas aumentou nas indústrias (de 8,6% para 10,7%), comércio (de 6,6% para 7,4%), transportes e armazenagem (de 6,8% para 8,0%), outros serviços (de 4,8% para 5,4%) e sedes sociais (de 4,7% para 4,8%).

Regulador aprova venda do controle dos ativos de fibra ótica da Oi no Brasil

A operadora de telecomunicações brasileira Oi já tinha anunciado o acordo de venda de parte dos ativos de fibra ótica da InfraCo à Globenet e BTG.

Pfizer e Moderna vão continuar a dominar mercado das vacinas anti-Covid em 2022

Segundo os cálculos da Airfinity, as duas fabricantes de vacinas mRNA irão dominar três quartos do mercado vacinal em 2022, alargando a margem entre as rivais AstraZeneca, Johnson & Johnson, a vacina russa Sputnik V.
Comentários