Autoeuropa está a produzir 100 viseiras por dia para doar a hospitais

Apesar da produção automóvel estar suspensa até 12 de abril, a Autoeuropa e os seus trabalhadores quiseram juntar-se à luta contra a epidemia do coronavírus em Portugal.

Luis Viegas

A Autoeuropa está a produzir viseiras para doar a hospitais em todo o país. Apesar da produção automóvel permanecer suspensa devido à epidemia do novo coronavírus (Covid-19), uma parte da fábrica está a produzir 100 viseiras por dia.

A ideia partiu de alguns trabalhadores da empresa, explica fonte oficial da Autoeuropa ao Jornal Económico, sublinhando que as viseiras são para doar aos hospitais.

Esta foi a forma da fábrica portuguesa da Volkswagen e dos seus trabalhadores de contribuírem para a luta contra esta epidemia que já provocou 140 mortes e mais de 6.400 casos confirmados em Portugal.

A produção começou na semana passada, com as “primeiras máscaras a serem doadas aos hospitais de Setúbal e do Barreiro, mas neste momento estão a ir para todo o país”, disse ao JE o coordenador da comissão de trabalhadores da Autoeuropa, Fausto Dionísio.

“Estamos agora a produzir 100 máscaras por dia e os pedidos têm surgido de norte a sul do país”, afirma Fausto Dionísio.

Até agora, cerca de 10 a 15 trabalhadores estavam a participar na produção das viseiras, mas este número deve aumentar, pois este equipamento já está a ser produzido em dois turnos, segundo o coordenador.

As viseiras de proteção facial fazem parte da lista de equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) aos profissionais de saúde.

Já a produção automóvel na fábrica de Palmela vai continuar suspensa até dia 12 de abril, disse o coordenador da CT.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários