Autoeuropa suspende produção aos fins-de-semana após fecho das escolas

Decisão da maior exportadora nacional deve-se ao impacto da reorganização familiar decorrente do fecho das escolas na actividade da Autoeuropa, onde trabalham muitos casais, e ao aumento do número de casos de Covid-19 e de colaboradores confinados, o que provoca a falta de trabalhadores nas linhas de produção. Suspensão de produção na fábrica aos fins-de-semana deverá manter-se enquanto escolas estiverem encerradas.

Luis Viegas

Com a suspensão das aulas nas escolas de todo o país, a maior fábrica de automóveis do País e líder nas exportações industriais portuguesas, a Autoeuropa, suspendeu a produção aos fins-de-semana e a partir desta segunda-feira, 25 de janeiro apenas funciona com os turnos de segunda a sexta. A decisão consta de uma comunicação interna aos trabalhadores no final da semana passada, após o Governo ter decidido encerrar todas as escolas. E visa colmatar a falta de trabalhadores para preencherem as equipas da fábrica de Palmela, onde muitos casais são funcionários, numa altura o aumento de casos de Covid-19 na empresa e de situações inerentes à pandemia, como o isolamento profilático, está também a  provocar falta de trabalhadores nas linhas de produção.

Face ao impacto da reorganização familiar na atividade da exportadora nacional, a fábrica da Autoeuropa fechou já nesta sexta-feira, 22 de janeiro, por três dias, para permitir que os funcionários se ajustassem à nova realidade escolar anunciada na quinta-feira, 21 de janeiro, pelo primeiro-ministro. E decidiu manter a produção apenas nos turnos de segunda a sexta-feira, pelo menos, durante os 15 dias em que as escolas se manterão encerradas, numa medida que acaba por afetar algumas empresas apesar da  indústria ter escapado ao encerramento decretado.

Na comunicação aos trabalhadores, a que o JE teve acesso, a empresa sinaliza que os dias 23 e 24 de janeiro “serão considerados como folgas e as rotas de autocarros estão canceladas”, dando conta de que a partir da madrugada de segunda-feira, 25 de janeiro é dado início de produção em “esquema” de três turnos a rodas de manhã, à tarde e à noite. Aos trabalhadores que tenham de permanecer em casa devido ao fecho das escolas, a Autoeuropa dá ainda conta de que “deverão recorrer ao subsídio de apoio à família prestado pela Segurança Social”.

Nesta, sexta-feira, 22 de janeiro, a estrutura sindical Sitesul alertou também que “existem trabalhadores com contrato de trabalho temporários da Autovision People que estão a ser convocados pelas chefias para trabalhar dois turnos de produção seguidos (16 horas) e outros que trabalham as suas folgas sem terem qualquer dia de descanso na semana, devido à falta de trabalhadores nas linhas de produção, consequência direta da situação pandémica que vivemos”.

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários