Autoeuropa teve impacto de 5% na exportação de bens em 2018

A fábrica de automóveis de Palmela prevê investir mais 110 milhões de euros este ano em Portugal.

Luis Viegas

A Volkswagen Autoeuropa em 2018 considera que consolidou o seu peso na economia nacional no ano passado e teve um impacto de 5% no valor de exportações de bens de Portugal em 2018.

Segundo um comunicado da fábrica de automóveis de Palmela, a empresa teve também um impacto de 1,6% no PIB – Produto Interno Bruto.

De acordo com o mesmo documento, a Autoeuropa registou um crescimento de 106% no volume de produção no ano passado.

Para o presente exercício, a Autoeuropa prevê efetuar um investimento de 110 milhões de euros.

O comunicado da Autoeuropa sublinha ainda que a empresa está entre os maiores empregadores nacionais.

“Com a divulgação dos dados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, e após um ano em que se atingiram os melhores resultados de sempre, a Volkswagen Autoeuropa encerrou o ano de 2018 representando 1,6% do PIB e 5% do valor de exportações de bens, respetivamente mais 60% e 67% em relação a 2017”, destaca o referido comunicado.

Para os responsáveis da Autoeuropa, “estes indicadores revelam o impacto positivo que a fábrica de Palmela teve na economia nacional no ano transato, período em que foram produzidas 223.200 unidades (mais 106% que em 2017), um volume que equivale a 75%
de toda a produção automóvel em Portugal”.

“Da unidade de prensas saíram para exportação cerca de 20 milhões de peças, resultado que reforçou o papel da Volkswagen Autoeuropa como segundo maior exportador nacional”, acrescenta o referido comunicado.

A Autoeuropa adianta ainda que “em 2019, a empresa planeia investir 110 milhões de euros”, explicando que “deste plano fazem parte o aumento da capacidade de produção do T-Roc, dando resposta à crescente aceitação deste modelo no mercado, e a expansão da unidade de cunhos e cortantes, responsável por vários projetos para o Grupo Volkswagen”.

“A Volkswagen Autoeuropa conta atualmente com cerca de 5.800 colaboradores, o que a coloca entre os maiores empregadores nacionais, tendo em 2018 sido aprovados por larga maioria dois acordos laborais que garantem estabilidade social à empresa”, assegura o comunicado da empresa.

O documento refere também que “o barómetro interno de opinião, que contou com a participação anónima de 84% dos colaboradores, revelou um índice de satisfação geral de 81,5%”.

Recorde-se que a marca Volkswagen está presente em mais de 150 mercados em todo o mundo e produz veículos em 14 países.

“Um dos maiores investimentos estrangeiros no país, a Volkswagen Autoeuropa é desde 1991 uma fábrica de automóveis multiproduto e multimarca, sendo uma das mais modernas unidades industriais em Portugal. A fábrica de Palmela fechou o ano de 2018 com 5.800 colaboradores e 223.200 unidades produzidas. Em Palmela, são produzidos os modelos T-Roc, Sharan e SEAT Alhambra”, conclui o referido comunicado.

Ler mais
Relacionadas

ACAP: “carros a diesel têm grande peso nas exportações e representaram 49,6% da produção nacional em 2018”

Cerca de metade da produção da indústria automóvel portuguesa – que emprega 72 mil trabalhadores – fabrica veículos com motores a gasóleo, com elevado peso na exportação, comenta a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Autoeuropa: carros acumulados em Setúbal durante a greve já foram carregados, garante ministra

“Cerca de 23 mil viaturas da Autoeuropa, acumuladas durante a paralisação, já foram carregadas […] e as cerca de 800 viaturas produzidas por dia estão a ser escoadas, conforme foi previamente definido”, disse Ana Paula Vitorino, numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Exportações portuguesas desaceleram para 5,3% em 2018

Apesar do crescimento para os 57.925 milhões de euros, as vendas para o exterior não chegaram para suplantar o aumento das importações, que se fixou em 8%. Défice de balança comercial agrava-se.
Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários