Autoeuropa teve impacto de 5% na exportação de bens em 2018

A fábrica de automóveis de Palmela prevê investir mais 110 milhões de euros este ano em Portugal.

Luis Viegas

A Volkswagen Autoeuropa em 2018 considera que consolidou o seu peso na economia nacional no ano passado e teve um impacto de 5% no valor de exportações de bens de Portugal em 2018.

Segundo um comunicado da fábrica de automóveis de Palmela, a empresa teve também um impacto de 1,6% no PIB – Produto Interno Bruto.

De acordo com o mesmo documento, a Autoeuropa registou um crescimento de 106% no volume de produção no ano passado.

Para o presente exercício, a Autoeuropa prevê efetuar um investimento de 110 milhões de euros.

O comunicado da Autoeuropa sublinha ainda que a empresa está entre os maiores empregadores nacionais.

“Com a divulgação dos dados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, e após um ano em que se atingiram os melhores resultados de sempre, a Volkswagen Autoeuropa encerrou o ano de 2018 representando 1,6% do PIB e 5% do valor de exportações de bens, respetivamente mais 60% e 67% em relação a 2017”, destaca o referido comunicado.

Para os responsáveis da Autoeuropa, “estes indicadores revelam o impacto positivo que a fábrica de Palmela teve na economia nacional no ano transato, período em que foram produzidas 223.200 unidades (mais 106% que em 2017), um volume que equivale a 75%
de toda a produção automóvel em Portugal”.

“Da unidade de prensas saíram para exportação cerca de 20 milhões de peças, resultado que reforçou o papel da Volkswagen Autoeuropa como segundo maior exportador nacional”, acrescenta o referido comunicado.

A Autoeuropa adianta ainda que “em 2019, a empresa planeia investir 110 milhões de euros”, explicando que “deste plano fazem parte o aumento da capacidade de produção do T-Roc, dando resposta à crescente aceitação deste modelo no mercado, e a expansão da unidade de cunhos e cortantes, responsável por vários projetos para o Grupo Volkswagen”.

“A Volkswagen Autoeuropa conta atualmente com cerca de 5.800 colaboradores, o que a coloca entre os maiores empregadores nacionais, tendo em 2018 sido aprovados por larga maioria dois acordos laborais que garantem estabilidade social à empresa”, assegura o comunicado da empresa.

O documento refere também que “o barómetro interno de opinião, que contou com a participação anónima de 84% dos colaboradores, revelou um índice de satisfação geral de 81,5%”.

Recorde-se que a marca Volkswagen está presente em mais de 150 mercados em todo o mundo e produz veículos em 14 países.

“Um dos maiores investimentos estrangeiros no país, a Volkswagen Autoeuropa é desde 1991 uma fábrica de automóveis multiproduto e multimarca, sendo uma das mais modernas unidades industriais em Portugal. A fábrica de Palmela fechou o ano de 2018 com 5.800 colaboradores e 223.200 unidades produzidas. Em Palmela, são produzidos os modelos T-Roc, Sharan e SEAT Alhambra”, conclui o referido comunicado.

Ler mais
Relacionadas

ACAP: “carros a diesel têm grande peso nas exportações e representaram 49,6% da produção nacional em 2018”

Cerca de metade da produção da indústria automóvel portuguesa – que emprega 72 mil trabalhadores – fabrica veículos com motores a gasóleo, com elevado peso na exportação, comenta a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Autoeuropa: carros acumulados em Setúbal durante a greve já foram carregados, garante ministra

“Cerca de 23 mil viaturas da Autoeuropa, acumuladas durante a paralisação, já foram carregadas […] e as cerca de 800 viaturas produzidas por dia estão a ser escoadas, conforme foi previamente definido”, disse Ana Paula Vitorino, numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Exportações portuguesas desaceleram para 5,3% em 2018

Apesar do crescimento para os 57.925 milhões de euros, as vendas para o exterior não chegaram para suplantar o aumento das importações, que se fixou em 8%. Défice de balança comercial agrava-se.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários