Autoridades austríacas e Interpol investigam esquema Ponzi ligado a bitcoin

O suposto fundo privado de bitcoin, Optioment, oferecia a pequenos investidores retornos semanais de 4% e recompensas a quem trouxesse novos investidores. A justiça austríaca já terá dois suspeitos e estendeu as acusações à Alemanha, Dinamarca e Letónia.

As autoridades austríacas pediram ajuda à Interpol para investigar um possível esquema Ponzi ligado a bitcoins, após centenas de queixas de fraude, desde finais do ano passado. As suspeitas recaem sobre uma empresa de transação de criptomoedas chamada Optioment (entretanto fechada) e a fraude poderá ter afetado mais de 10 mil pessoas e 115 milhões de dólares, de acordo com o jornal Die Presse.

Em Viena, já terão sido identificados dois suspeitos, mas ainda ninguém foi detido e as investigações foram alargadas também à Alemanha, Dinamarca e Letónia.

As autoridades suspeitam que a Optioment tenha atraído, pelo menos 700 pequenos investidores para eventos, onde prometia retornos semanais de 4% para quem investisse em criptomoedas, bem como recompensas para quem trouxesse novos investidores, segundo conta o Die Presse.

Apresentando-se como um fundo privado de bitcoin com sede na Costa Rica, a Optioment terá conseguido cumprir os pagamentos as promessas até novembro, altura em terá parado subitamente. O regulador financeiro austríaco terá formalizado a acusação contra o esquema Ponzi, no final de janeiro.

Relacionadas

Número de fundos a investir em criptomoeda mais que duplicou em quatro meses

Criptomoedas nas mãos de fundos de hedge funds estarão entre os 3,5 e os 5 mil milhões de dólares e ofereceram, em 2017, um retorno médio de 1.477,85%. No entanto, em janeiro deste ano já perderam 4,6%.
Recomendadas

Respostas rápidas. O que está em causa na Operação Fora de Jogo?

Sociedades Anónimas Desportivas (SAD), empresários de futebol, dirigentes e advogados têm sido alvo do Ministério Público desde que a investigação arrancou em março do ano passado.

Fim de linha para Bobby Kotick. CEO da Activision Blizzard admite demissão após escândalo de assédio sexual

A Activision enfrenta uma pressão crescente nos últimos meses, com reflexo nos seus resultados financeiros, devido a várias acusações de funcionários sobre desigualdade salarial, discriminação e assédio sexual. Ainda assim, espera encaixar 8,1 mil milhões de euros até 2022.

Ministério Público acrescenta cinco arguidos à operação ‘Fora de Jogo’

Das buscas a instalações de SAD, empresas e escritório de advogados realizadas esta quarta-feira destacam-se as visitas Sporting de Braga e Vitória de Guimarães. Em causa estão suspeitas de negócios simulados entre clubes de futebol e terceiros, com valores a rondar os 15 milhões de euros.
Comentários