Avaliação das casas permaneceu nos 1.221 euros\m2 em agosto

O maior aumento face ao mês de julho registou-se na Região Autónoma da Madeira (3,2%), com a zona Centro a apresentar a descida mais acentuada (-0,8%).

A avaliação das casas não registou alterações tendo permanecido nos 1.221 euros\m2 no mês de agosto, o mesmo valor em relação ao mês anterior, de acordo com os dados do Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação (IABH) divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira, 27 de setembro.

O maior aumento face ao mês de julho registou-se na Região Autónoma da Madeira (3,2%), com a zona Centro a apresentar a descida mais acentuada (-0,8%). O valor médio das avaliações subiu 8,2% em comparação com o período homólogo de 2020. Também aqui a variação mais expressiva foi na Região Autónoma da Madeira (11,5%) e a menor na zona Centro (2,7%).

Olhando para os apartamentos, o valor médio das avaliações foi de 1.356 euros\m2, tendo aumentado 9,9% relativamente a agosto de 2020. O valor mais elevado foi observado no Algarve (1.649 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (877 euros/m2). A Região Autónoma da Madeira apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (13,1%), tendo a Região Autónoma dos Açores apresentado o menor (0,8%).

Face ao mês de julho, o valor da avaliação subiu 0,4%, tendo a Região Autónoma da Madeira apresentado a maior subida (4,2%) e o Centro a única descida (-0,1%). Por tipologias, o valor médio da avaliação para apartamentos T2 subiu 14 euros, para 1.381euros/m2, tendo os T3 subido três euros, para 1.217 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 81,0% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já nas moradias, o valor médio das avaliações foi de 987 euros/m2 em agosto, o que representou um aumento de 3,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se na Área
Metropolitana de Lisboa (1.613 euros/m2) e no Algarve (1.590 euros/m2), tendo o Centro registado o valor
mais baixo (807 euros/m2). A Região Autónoma dos Açores apresentou o maior crescimento homólogo (7,9%)
e o menor ocorreu no Centro (0,6%).

Em comparação com o mês de julho, o valor da avaliação diminuiu 1,1%. A Região Autónoma dos Açores apresentou o aumento mais acentuado (1,1%), e a maior descida aconteceu no Algarve (-2,3%). Face a julho, os valores das moradias de tipologias T2, T3 e T4, foram responsáveis por 89,1% das avaliações, tendo atingido os 923 euros/m2 (menos 16 euros), 981 euros/m2 (menos 7 euros) e 1.038 euros/m2 (menos 12 euros), respetivamente.

No mês em análise verificaram-se ainda 29.315 avaliações bancárias, mais 35,3% do que no mesmo período do ano anterior. Destas, 18.642 foram apartamentos e 10.673 moradias. Em comparação com o período anterior, realizaram-se menos 1.147 avaliações bancárias, o que corresponde a uma diminuição de 3,8%.

Recomendadas

Mediadores imobiliários: “Em 2022 vão surgir oportunidades no interior do país”

Presidente da APEMIP acredita que os grandes grupos continuarão a investir, apesar do fim dos Vistos Gold em Lisboa e no Porto.

PremiumCastelhana Real Estate diz que vai “continuar a ter projetos para clientes ‘golden visa'”

Patrícia Clímaco, CEO da mediadora imobiliária, afirma ao Jornal Económico que acredita que o fim deste regime não vai condicionar o mercado no Porto, mas que poderão haver “repercussões” no segmento prime em Lisboa.

PremiumDavidson Kempner à frente na corrida aos fundos da ECS Capital

Concurso para a venda dos fundos de reestruturação dos bancos geridos pela ECS, designado de “Projecto Crow”, tem um candidato melhor posicionado, mas há detalhes que podem virar o resultado.
Comentários