Avillez e Granadeiro em tribunal pela marca Belcanto

Na primeira volta, o antigo presidente da PT saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória.

Paulo Barata

O empresário Henrique Granadeiro e o chef José Avillez estão a lutar em tribunal pelo uso da marca Belcanto. A empresa produtora de vinhos de Granadeiro, a Granacer, possui uma gama de vinhos com o nome Belcanto, enquanto o restaurante de José Avillez no Chiado também tem o mesmo nome, avança o Jornal de Negócios esta quinta-feira, 11 de julho.

O argumento utilizado por José Avillez no processo é que “existe afinidade entre os produtos” das duas empresas, mas no entender do grupo verifica-se “imitação e inerente risco de confusão”, pedindo assim recusa ao registo efetuado pela Granacer.

A empresa Gonzalez, Garrido & Antela, que explora o Belcanto, opôs-se ao registo da marca de Henrique Granadeiro, e o caso foi parar a tribunal. Na primeira volta, Granadeiro saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória. Aqui, os juízes revogaram a decisão inicial e recusaram registar a marca Belcanto sob o nome de Granadeiro.

Contactados pelo Jornal de Negócios, a empresa do antigo presidente da PT afirmou que “não tem nada a declarar” mas garantiu que “o vinho Belcanto está à venda nos atuais canais de distribuição dos outros vinhos da Granacer”. Já os responsáveis pelo restaurante de Avillez assumiram que “o processo está a ser conduzido pela nossa equipa legal”.

O primeiro pedido de José Avillez para registar o nome Belcanto data de 2009, tendo-lhe sido concedido e renovado na categoria de serviços e restauração. Já o pedido de Henrique Granadeiro para registar esta marca surgiu mais tarde, em 2017.

Recomendadas

Ricardo Salgado obrigado a pagar 3,7 milhões de euros após TC negar reclamação

Num acórdão de 14 de maio, após uma reclamação do ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), o TC negou a pretensão de Ricardo Salgado mantendo o pagamento de uma coima de 3,7 milhões de euros e a impossibilidade de, durante 10 anos, poder exercer cargos em instituições financeiras e de crédito.

Isabel dos Santos pretende recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no caso Luanda Leaks

Em causa está o arresto de contas bancárias da empresária Isabel dos Santos, “no âmbito de pedido de cooperação judiciária internacional das autoridades angolanas” no caso Luada Leaks.

Ministério Público acusa nove arguidos de crimes de corrupção em parcerias público-privadas

A Procuradoria-Geral Regional de Coimbra refere em comunicado publicado no seu ‘site’ que, de acordo com a acusação, estão envolvidos os municípios de Trancoso, Alcobaça, Sabugal e Gouveia, e uma pessoa coletiva dedicada à construção civil.
Comentários