Avillez e Granadeiro em tribunal pela marca Belcanto

Na primeira volta, o antigo presidente da PT saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória.

Paulo Barata

O empresário Henrique Granadeiro e o chef José Avillez estão a lutar em tribunal pelo uso da marca Belcanto. A empresa produtora de vinhos de Granadeiro, a Granacer, possui uma gama de vinhos com o nome Belcanto, enquanto o restaurante de José Avillez no Chiado também tem o mesmo nome, avança o Jornal de Negócios esta quinta-feira, 11 de julho.

O argumento utilizado por José Avillez no processo é que “existe afinidade entre os produtos” das duas empresas, mas no entender do grupo verifica-se “imitação e inerente risco de confusão”, pedindo assim recusa ao registo efetuado pela Granacer.

A empresa Gonzalez, Garrido & Antela, que explora o Belcanto, opôs-se ao registo da marca de Henrique Granadeiro, e o caso foi parar a tribunal. Na primeira volta, Granadeiro saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória. Aqui, os juízes revogaram a decisão inicial e recusaram registar a marca Belcanto sob o nome de Granadeiro.

Contactados pelo Jornal de Negócios, a empresa do antigo presidente da PT afirmou que “não tem nada a declarar” mas garantiu que “o vinho Belcanto está à venda nos atuais canais de distribuição dos outros vinhos da Granacer”. Já os responsáveis pelo restaurante de Avillez assumiram que “o processo está a ser conduzido pela nossa equipa legal”.

O primeiro pedido de José Avillez para registar o nome Belcanto data de 2009, tendo-lhe sido concedido e renovado na categoria de serviços e restauração. Já o pedido de Henrique Granadeiro para registar esta marca surgiu mais tarde, em 2017.

Recomendadas

Ministério Público quer Rui Rangel fora da Operação Marquês

Conselho Superior de Magistratura, que garantiu a existência de “mecanismos legais para assegurar a independência e a imparcialidade das decisões judiciais” e desafiou as entidades competentes a salvaguardar “a transparência e o bom funcionamento da Justiça”.

PremiumJustiça já arrestou todas as 2.200 obras de arte de Joe Berardo

Após processo interposto pela CGD, BCP e Novo Banco, foram arrestadas 2.200 obras. Mais de metade estavam no museu nas Caves Aliança e no Buddha Eden.

e-toupeira: banco dos réus vai estar “desfalcado” sem a presença da SAD do Benfica, lamenta FC Porto

Os ‘dragões’ apontam “interpretações divergentes sobre a natureza e grandeza das provas que tornassem inequívocas as relações entre mandados e mandantes, sendo certo que partilhavam o mesmo corredor no Estádio da Luz”.
Comentários