Avillez e Granadeiro em tribunal pela marca Belcanto

Na primeira volta, o antigo presidente da PT saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória.

Paulo Barata

O empresário Henrique Granadeiro e o chef José Avillez estão a lutar em tribunal pelo uso da marca Belcanto. A empresa produtora de vinhos de Granadeiro, a Granacer, possui uma gama de vinhos com o nome Belcanto, enquanto o restaurante de José Avillez no Chiado também tem o mesmo nome, avança o Jornal de Negócios esta quinta-feira, 11 de julho.

O argumento utilizado por José Avillez no processo é que “existe afinidade entre os produtos” das duas empresas, mas no entender do grupo verifica-se “imitação e inerente risco de confusão”, pedindo assim recusa ao registo efetuado pela Granacer.

A empresa Gonzalez, Garrido & Antela, que explora o Belcanto, opôs-se ao registo da marca de Henrique Granadeiro, e o caso foi parar a tribunal. Na primeira volta, Granadeiro saiu vencedor, mas aquando do recurso, Avillez arrecadou a vitória. Aqui, os juízes revogaram a decisão inicial e recusaram registar a marca Belcanto sob o nome de Granadeiro.

Contactados pelo Jornal de Negócios, a empresa do antigo presidente da PT afirmou que “não tem nada a declarar” mas garantiu que “o vinho Belcanto está à venda nos atuais canais de distribuição dos outros vinhos da Granacer”. Já os responsáveis pelo restaurante de Avillez assumiram que “o processo está a ser conduzido pela nossa equipa legal”.

O primeiro pedido de José Avillez para registar o nome Belcanto data de 2009, tendo-lhe sido concedido e renovado na categoria de serviços e restauração. Já o pedido de Henrique Granadeiro para registar esta marca surgiu mais tarde, em 2017.

Recomendadas

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Funcionários do Tribunal Central estão presos no elevador

Três funcionários judiciais do Tribunal Central de Instrução Criminal estão presos, há uma hora, no elevador do edifício.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários