Banca comercial de Angola volta a pedir dinheiro ao BNA em agosto

Valor até ao oitavo mês do ano está 66% abaixo do homólogo.

A banca comercial angolana voltou a pedir dinheiro ao Banco Nacional de Angola (BNA) em agosto. As operações de redesconto ascenderam a cerca de 445 mil milhões de kwanzas (Kz) nos primeiros oito meses deste ano, uma quebra de 66% face ao homólogo, quando ascenderam a perto de 867 mil milhões Kz, segundo cálculos do jornal “Mercado” com base em dados do banco central.

De acordo com dados do banco central, maio e agosto foram os únicos meses de 2019 em que a banca comercial recorreu ao BNA para financiamento de curto prazo mediante operações de redesconto. O não recurso a financiamento do BNA pelos bancos comerciais deverá, de acordo com fontes do mercado, dever-se ao facto de as instituições estarem a gerir a liquidez de depósitos e indica uma situação confortável de liquidez.

Uma operação de redesconto enquanto instrumento de política monetária, recorde-se, consiste num empréstimo do banco central aos bancos comerciais quando estes se encontram com poucos recursos, durante um determinado período. Mas pode igualmente consistir em empréstimos entre bancos comerciais.

O economista Henriques da Ressurreição explica que as operações de redesconto colocam o BNA numa situação de “financiador de última instância”, pelo facto de ajudar os bancos comerciais a cobrirem défices de tesouraria, nomeadamente quando a procura por recursos depositados não cobrem as necessidades.

“Quando o propósito do banco central é injetar liquidez no mercado, ele baixa a taxa de juro para estimular os bancos a obter tais empréstimos. Os bancos comerciais, por sua vez, terão mais disponibilidade de crédito para oferecer ao mercado”, diz Henriques da Ressurreição. “A fraca capacidade apresentada por estas instituições pode levar ao BNA a optar por duas posições: rejeição da concessão de futuros empréstimos, ou conceder o crédito, mas a uma taxa juro muito acima daquelas praticadas pelo mercado”, diz o economista.

O redesconto torna-se funcional muito devido a aplicação de uma taxa de referência, denominada Taxa de Redesconto, controlada pela autoridade monetária. Assim, uma redução na Taxa de Redesconto leva aos bancos a captarem mais dinheiro para aumentar suas operações de crédito.

Pelo contrário, um aumento da taxa de redesconto reduz indirectamente a capacidade dos bancos para financiarem a economia, visto que estes teriam de pagar mais para ter acesso ao crédito. Atualmente, recorde-se, a Taxa de Redesconto do BNA está nos 20%, inalterada desde julho de 2017.

Por Rúben Ramos

Ler mais
Recomendadas

Novo crédito à habitação em setembro soma 915 milhões de euros, diz Banco de Portugal

Em setembro os volumes de novas operações para habitação, consumo e outros fins totalizaram 915, 462 e 284 milhões de euros, respetivamente, avança ao Banco de Portugal.
Martin Revolut

Revolut: conselheiro de Nik Storonsky nomeado ‘chairman’ não-executivo

Martin Gilbert, era informalmente o conselheiro do CEO da Revolut, Nikolay Storonsky, funções que continuará a desempenhar até ao dia 1 de janeiro. A nomeação de Martin Gilbert para chairman não-executivo surge numa altura em que a Revolut se prepara para se tornar num verdadeiro banco digital.

Aon reforça área de M&A com entrada de Marcos Oliveira e Bruno da Silva

Novos membros da equipa jurídica foram recrutadas na Allianz Portugal e na Willis Towers Watson.
Comentários