PremiumBanca dá pontapé de saída na ‘earnings season’

A última semana ficou marcada pelo início da época de divulgação de resultados nos EUA e na Europa, com a banca a dar o pontapé de saída.

Os últimos dias têm sido bastante preenchidos. Começando pelos EUA, destaque para Joe Biden, que tomou posse como 46º Presidente dos EUA. As praças acionistas têm reagido de forma positiva à chegada ao cargo do novo presidente, em grande parte devido ao pacote proposto de 1,9 biliões de dólares em estímulos para apoiar a economia norte-americana. O facto de os democratas terem garantido o controlo da Câmara dos Representantes, do Senado e da Casa Branca, deverá facilitar a aprovação de medidas por parte da nova administração.

Em Wall Street, a maioria dos bancos já apresentaram os seus resultados relativos ao último trimestre de 2020, sendo que começam a surgir evidências de que as principais instituições financeiras aumentaram a sua vantagem face aos bancos de menor dimensão. O JP Morgan registou lucros de 12,1 mil milhões de dólares nos três últimos meses de 2020, um acréscimo de 42% face aos 8,5 mil milhões de dólares do período homólogo, impulsionados pela libertação de $2,9 mil milhões de dólares de provisões que tinham sido assumidas para o malparado esperado da crise da Covid-19, para além de um “salto” de 20% das receitas da divisão de trading.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLagarde e Powell permitem inflação pontual

As autoridades monetárias pretendem continuar com a sua política acomodatícia apesar de “pontuais” subidas da inflação pós-pandemia.

Premium‘Dragões’ e ‘leões’ com os olhos no título e nos milhões

FC Porto e Sporting CP entram em campo separados por 10 pontos. Em causa está não só o título nacional, como a própria entrada direta na Liga dos Campeões que, no caso dos portistas, poderá levar a vendas de jogadores devido ao fair-play financeiro.

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.
Comentários