PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.

Os clientes bancários privilegiam serviços universais, o que é oneroso para as instituições financeiras que neles têm de investir e acaba por se repercutir num custo para os consumidores. Por isso, o presidente do Montepio Crédito acredita que, a longo prazo, o mercado tenderá para um equilíbrio e as fintechs terão um modelo de compensação que permita tornar o “modelo global económico sustentável”. Na opinião de Pedro Gouveia Alves, será natural existir uma concentração de esforços e de serviços nas instituições financeiras já existentes, às quais os novos players recorrem. A lógica é a de criação de sinergias e economia de escala, conforme explicou ao Jornal Económico (JE).

“É muito natural que uma fintech, quando se constitui como intermediário de crédito (se estivermos a falar de produtos de crédito) tenha um modelo de compensação pelos serviços prestados, quer do ponto de vista da distribuição daquilo que é o contrato de crédito ao consumidor final – que há de ter uma remuneração – assim como a utilização de serviços que são prestados pelos bancos a estes intermediários”, disse Pedro Gouveia Alves, à margem da quinta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, no âmbito do ciclo “30’ a 3”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

António Horta-Osório alerta para a importância de manter a saúde mental

Num testemunho pessoal, o ainda presidente do Lloyds contou como a sua experiência permitiu a criação de programas de desenvolvimento pessoal e bem-estar mental para executivos e colaboradores do banco britânico.

Fundação José Neves: “Se trabalharmos na educação teremos portugueses mais felizes, empresas mais produtivas e um país melhor”

A fundação criada pelo CEO da Farfetch foi oficialmente apresentada esta terça-feira, no Porto, sob o mote do desenvolvimento humano e de um modelo económico assente no conhecimento. “Queremos começar a criar impacto hoje”, garante o empresário.

Alexandra Leitão: “Tecnologia facilita deslocalização dos serviços públicos para o interior”

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública vinca que a tecnologia vai ajudar a resolver problemas de baixa densidade populacional no interior, melhorar a mobilidade e resolver problemas de carência habitacional. Declarações proferidas na sessão de encerramento da conferência “Autarquias, empresas e cidadãos”, realizada no âmbito da “Portugal Smart Cities 2020”, organizada pela Fundação AIP e da qual o Jornal Económico é media partner
Comentários