PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.

Os clientes bancários privilegiam serviços universais, o que é oneroso para as instituições financeiras que neles têm de investir e acaba por se repercutir num custo para os consumidores. Por isso, o presidente do Montepio Crédito acredita que, a longo prazo, o mercado tenderá para um equilíbrio e as fintechs terão um modelo de compensação que permita tornar o “modelo global económico sustentável”. Na opinião de Pedro Gouveia Alves, será natural existir uma concentração de esforços e de serviços nas instituições financeiras já existentes, às quais os novos players recorrem. A lógica é a de criação de sinergias e economia de escala, conforme explicou ao Jornal Económico (JE).

“É muito natural que uma fintech, quando se constitui como intermediário de crédito (se estivermos a falar de produtos de crédito) tenha um modelo de compensação pelos serviços prestados, quer do ponto de vista da distribuição daquilo que é o contrato de crédito ao consumidor final – que há de ter uma remuneração – assim como a utilização de serviços que são prestados pelos bancos a estes intermediários”, disse Pedro Gouveia Alves, à margem da quinta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, no âmbito do ciclo “30’ a 3”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumGestores têm de aprender todos os dias e de ser multifuncionais

Pedro Gouveia Alves, do Montepio Crédito, e José Theotónio, do Grupo Pestana, concordam que todos os quadros devem ter formação tecnológica.

Grupo Pestana recruta cada vez mais engenheiros informáticos para os hotéis

“Todas as empresas e quadros já se consciencializaram de que a aprendizagem tem de ser contínua”, disse esta quarta-feira o CEO, José Theotónio, no ciclo de conversas “30′ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.

Quais os desafios da gestão em Portugal? Assista ao “30’ a 3” com o CEO do Grupo Pestana

Esta quarta-feira, entre as 18h30 e as 19h00, realiza-se a sexta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, num ciclo que visa promover o debate e o esclarecimento público sobre os temas mais decisivos para o futuro do país.
Comentários