Banco cabo-verdiano participado pelo Novo Banco passa de prejuízos a lucros de 1,3 milhões de euros

O IIB Cabo Verde, banco liderado pelo grupo IIB do Bahrain, e participado em 10% pelo Novo Banco português, passou de prejuízos consecutivos para lucros de 1,3 milhões de euros em 2019, mas não vai distribuir dividendos.

O IIB Cabo Verde, banco liderado pelo grupo IIB do Bahrain, e participado em 10% pelo Novo Banco português, passou de prejuízos consecutivos para lucros de 1,3 milhões de euros em 2019, mas não vai distribuir dividendos aos acionistas.

A informação consta do relatório e contas de 2019 do International Investment Bank Cabo Verde (IIBCV), que refere a aprovação da proposta de aplicação dos lucros do ano passado na reserva legal obrigatória (10% do total) e os restantes noutras reservas, cumprindo a orientação do banco central, para reforço das reservas dos bancos devido à pandemia de Covid-19, sem distribuição de dividendos.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve hoje acesso, o IIBCV registou lucros de 147.250.000 escudos (1,35 milhões de euros) em 2019, sucedendo a prejuízos de 270.820.000 escudos (-2,47 milhões de euros) em 2018 e 55.989.000 escudos (-551,5 mil euros) em 2017.

Recomendadas

“Caixa opera com margens de 1% a 2% contra 15% do gel desinfetante”, diz Paulo Macedo

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos considera que o banco público está apto para financiar pequenas, médias ou grande empresas. “Ao longo dos últimos anos, a Caixa e os seus trabalhadores trabalharam para dobrar o nosso Bojador”, afirmou.

Montepio Crédito expande crédito ao consumo na plataforma digital

O Montepio Crédito reforçou a sua aposta no digital e lançou o crédito para aquisição de material escolar e informático na sua plataforma mycreditech, numa altura em que as aulas por meios digitais ganharam relevância.
antónio_costa_silva_partex_4

Chairman da CGD elogia Costa e Silva: “Assumiu sozinho um trabalho para o qual qualquer outra pessoa teria pedido orçamentos”

Emílio Rui Vilar, presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos, referiu que o conselheiro do Governo é “muito mais que um académico e gestor”. “Creio que a qualidade do seu trabalho merece uma sequência”, avisou.
Comentários