Banco Comercial do Atlântico alerta para tentativa de “phishing”

“Os códigos para aceder ao BCADirecto (nome de utilizador + código de acesso) e a chave de confirmação são para seu uso pessoal e são intransmissíveis, não devendo nunca ser transmitidos, mesmo que solicitados por pessoas que se identifiquem como colaboradores do BCA”, lembra o banco aos clientes.

O Banco Comercial do Atlântico (BCA) emitiu esta terça-feira aos clientes um comunicado a alertar para uma tentativa de “phishing” com recurso a “e-mails fraudulentos” enviados aos clientes.

A instituição bancária esclarece que “vem circulando emails fraudulentos de criminosos usando o nome e o logo do BCA, e de outros bancos em Cabo Verde, pedindo a verificação de dados bancários de clientes”.

No mesmo documento, o BCA alerta que, por segurança, os clientes não devem fornecer quaisquer dados bancários via correio eletrónico, telefone, SMS, ou através de redes sociais, nomeadamente dados sobre o BCADirecto (Internet Banking).

“Os códigos para aceder ao BCADirecto (nome de utilizador + código de acesso) e a chave de confirmação são para seu uso pessoal e são intransmissíveis, não devendo nunca ser transmitidos, mesmo que solicitados por pessoas que se identifiquem como colaboradores do BCA”, lê-se.

O BCA alertou, ainda, que ao receber mensagens com pedidos de confirmação de correio eletrónico, de senhas/passwords, ou outros dados do Banco, o procedimento correto é eliminá-las definitivamente e nunca abrir os links que nelas constam, e muito menos abrir os anexos que as acompanham.

“Phishing” é uma técnica de fraude online utilizada por criminosos no mundo da informática para roubar senhas de banco e demais informações pessoais.

Ler mais
Recomendadas

Cabo Verde lidera entre centena de deportados dos PALOP pelos Estados Unidos

O número de cabo-verdianos deportados, por vários motivos, mas sobretudo imigração ilegal, desceu no ano passado para 50, face aos 68 de 2018.

Presidente de Cabo Verde veta autorização do parlamento para Governo alterar Lei da Droga

Jorge Carlos Fonseca refere que, ao abrigo da Constituição da República de Cabo Verde, exerceu “o direito de veto”, tendo devolvido à Assembleia Nacional, “sem o promulgar, o ato legislativo da Assembleia Nacional que concedia autorização ao Governo para aprovar o novo regime dos crimes de consumo e tráfico de estupefacientes e substâncias psicotrópicas”.

PAICV preocupado com autonomia do Observatório do Mercado de Trabalho cabo-verdiano

“O artigo 2 diz que o pessoal do observatório é provido de preferência entre o pessoal da Administração Pública, por via dos instrumentos da mobilidade, todos eles têm um vínculo laboral umbilical com o Governo, daí a tentação das tutelas para impor diretrizes e sugerir ideias”, afirmo uma das deputadas do partido da oposição.
Comentários