Banco de Portugal aplicou multas de 10,1 milhões aos bancos no primeiro trimestre

No decurso do primeiro trimestre de 2019 o Banco de Portugal instaurou 19 e decidiu 20 processos de contraordenação.

Cristina Bernardo

No decurso do primeiro trimestre de 2019 o Banco de Portugal instaurou 19 e decidiu 20 processos de contraordenação a entidades por si supervisionadas (bancos e outras instituições supervisionadas).

No contexto das decisões proferidas foram aplicadas coimas que totalizaram  10,1 milhões de euros (10.103.500 euros), dos quais 163 mil euros ficam suspensos na sua execução.

Na síntese da atividade sancionatória, o supervisor bancário relata que dos 20 processos decididos, 12 dizem respeito a infrações de natureza comportamental; cinco respeitam a infrações de natureza prudencial; dois referem-se a infrações a deveres relativos à prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo e um respeita a infrações relacionadas com atividade financeira ilícita.

Compete ao Banco de Portugal a supervisão das instituições de crédito, das sociedades financeiras, das entidades prestadoras de serviços de pagamento, nomeadamente das instituições de pagamento, e das instituições de moeda eletrónica.

 

Relacionadas

Banco Atlantico, Montepio, EDP, CGD, Patris, Totta, CCCAM, BPG e BPI multados

Banco de Portugal voltou a atualizar a lista de decisões sobre processos de contraordenação que foram instaurados ao sistema financeiro nos últimos anos.
Recomendadas

Crédito Agrícola elege hoje novos órgãos sociais

A lista encabeçada por Licínio Pina é a única concorrente. O atual presidente está à frente dos destinos da Caixa Central de Crédito Agrícola desde 2013.

BCP compromete-se a apresentar contraproposta salarial para 2018

Presidente do Sindicato dos Bancários do Norte diz que o BCP se comprometeu a entregar uma contraproposta “no início da próxima semana” para ser avaliada pelos sindicatos e discutida na próxima reunião.

Grandes devedores da banca: Ferro Rodrigues agenda para dia 28 de maio a reunião que vai definir acesso

Até à implementação das regras de acesso e de divulgação, o relatório extraordinário fica depositado no gabinete do Ferro Rodrigues. Há uma parte do relatório que não será tornado público por causa de questões de sigilo.
Comentários