Banco de Portugal aponta saldo negativo na balança de bens e serviços e revê em baixa PIB para 2020

Boletim Económico de Junho aponta para que balança de bens e serviços já seja negativo este ano, ao contrário do que constava das previsões anteriores do banco central. Procura interna continuará a ser motor do crescimento económico.

O Boletim Económico de junho do Banco de Portugal, divulgado nesta quarta-feira, aponta para um saldo negativo da balança de bens e serviços já a partir deste ano e revê em baixa a previsão do crescimento do produto interno bruto em 2020 em 0,1 pontos percentuais, descendo-o para 1,6%. Ainda assim, o banco central manteve inalteradas as previsões para 2019 (1,7%) e para 2021 (1,6%) que constavam do boletim de março, salientando a continuação do processo de expansão da economia nacional.

A ligeira revisão em baixa desse indicador, justificada pelo enquadramento internacional, não impedirá que Portugal mantenha um “processo muito gradual” de convergência com a zona euro, ainda que o PIB per capita português deva ficar, segundo o Banco de Portugal, em 60% da média nesse conjunto de países.

O maior ritmo de crescimento das importações em relação ao das exportações (8,0% contra 4,5% em 2019, 4,3% contra 3,1% em 2020 e 4,4% contra 3,4% em 2021) conduzirá, segundo as últimas previsões do Banco de Portugal, a que a balança corrente e de serviços volte a ser negativa já neste ano (em vez do saldo positivo de 0,2% avançado em março, o boletim de junho aponta para 0,5% negativos), agravando-se esse saldo em 2020 (-o,7%) e 2021 (-1,1%).

Ainda assim, a balança corrente e de capital continuará positiva (0,1% do PIB em 2019, 0,2% em 2020 e em 2021), devido às transferências da União Europeia e à redução de encargos com a dívida pública.

O Banco de Portugal reviu ligeiramente em alta as previsões de crescimento do consumo privado em 2020 (de 2,0% para 1,9%) e em 2021 (de 1,7% para 1,6%), embora também tenha descido num ponto percentual o valor esperado para este ano (de 2,7% para 2,6%).

A procura interna continuará a manter-se, ao longo de todo o período analisado (2019-2021), como o principal factor para a expansão da atividade económica, superando o contributo das exportações, o que se traduzirá num saldo negativo da balança de bens e serviços. Terá sido mesmo a expectativa de redução no crescimento das exportações (de 3,7% no boletim de março passa-se para 3,1% no boletim de junho) um dos fatores determinantes numa revisão em baixa do crescimento do PIB esperado em 2020, refletindo a maturação do ciclo económico e os constrangimentos estruturais da economia portuguesa.

O Banco de Portugal alerta, no Boletim Económico de junho, que “afigura-se essencial a criação de condições que promovam o aumento a produtividade, através de uma melhor afetação de recursos, do bom funcionamento dos mercados do produto e de trabalho, da aposta no capital humano e na inovação, e a adoção de medidas para mitigar o impacto adverso da evolução demográfica”.

Ainda segundo o banco central, “só com o aumento do potencial de crescimento da economia será possível a aproximação aos níveis de rendimento médios europeus e assegurar a manutenção de um perfil ascendente do consumo privado e uma maior acumulação de capital, sem comprometer a necessária redução do endividamento dos vários setores da economia”.

Ler mais
Relacionadas

Investimento e emprego continuam em alta, segundo Banco de Portugal

Boletim Económico de Junho adverte, no entanto, para redução da capacidade de financiamento da economia portuguesa. Elevado grau de endividamento é uma das principais vulnerabilidades.

População portuguesa vai recuar para menos de 10 milhões a partir de 2040

O boletim económico divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal prevê que a redução demográfica se traduza também numa diminuição da percentagem de indivíduos vinculados ao mercado de trabalho, o que vai interferir no crescimento da economia nacional.

Estrangeiros contribuíram em dois terços para crescimento da população ativa em Portugal

Banco central português dá conta de que os fluxos migratórios permitiram suportar o crescimento populacional, apesar de o saldo natural ser sistematicamente negativo.
Recomendadas

Oficial: Benfica analisa proposta de 126 milhões por João Félix do Atlético de Madrid

Segundo a SAD benfiquista, o “valor proposto acima da cláusula de rescisão contempla o custo financeiro indexado ao pagamento a prestações previsto nesta proposta”. O jovem avançado do Benfica tem uma cláusula de 120 milhões de euros.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

“É admitida a dação em cumprimento da dívida, extinguindo as obrigações do devedor independentemente do valor atribuído ao imóvel para esse efeito, desde que tal esteja contratualmente estabelecido, cabendo à instituição de crédito prestar essa informação antes da celebração do contrato”, lê-se na proposta do PS, que consta do projeto para a Lei de Bases da Habitação.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

A proposta do PS para que seja admitida a entrega da casa às instituições bancárias para extinguir a dívida no crédito à habitação foi hoje aprovada, com o apoio de PSD, PCP e BE e a abstenção de CDS-PP.
Comentários