Banco de Portugal diz que bancos devem ser “prudentes” na aplicação de dividendos

“É fundamental a adoção de políticas prudentes da aplicação de resultados gerados, em especial no que concerne à distribuição de dividendos”, refere o Banco de Portugal (BdP) no Relatório de Estabilidade Financeira de dezembro.

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal avisou esta quarta-feira que os bancos devem adotar políticas “prudentes” na aplicação dos seus resultados, nomeadamente no que se refere à distribuição de dividendos, de forma a garantir níveis adequados de resiliência a choques.

“No caso das empresas financeira e dos bancos é importante continuar a reforçar a capacidade de absorção de choques negativos através de níveis de capital adequados. Assim é fundamental a adoção de políticas prudentes da aplicação de resultados gerados, em especial no que concerne à distribuição de dividendos”, refere o Banco de Portugal (BdP) no Relatório de Estabilidade Financeira de dezembro, hoje divulgado.

No documento, o BdP reconhece a evolução favorável do sistema bancário, com a redução “significativa” dos empréstimos não produtivos (NPL), mas avisa que a melhoria “tem de continuar, tendo em conta as fontes de risco sistémico associadas à atual conjuntura internacional” e ao “agravamento da incerteza geopolítica e económica”.

“É essencial a manutenção da atual trajetória de redução de ativos não produtivos e de reconhecimento de perdas nos ativos com menor probabilidade de serem recuperados, de acordo com os planos de redução de ativos não produtivos que foram submetidos às autoridades de supervisão”, refere.

As ‘fintech’ também são identificadas no relatório do BdP como uma “fonte de risco” para os bancos, embora ainda não haja evidência no contexto europeu de materialização desse risco.

O BdP considera que o investimento em infraestruturas tecnológicas deve ser prioritário para fazer face à potencial concorrência de empresas especializadas e reduzir os custos operacionais.

“As ‘fintech’ podem alterar de forma significativa o relacionamento com o cliente de serviços financeiros e, neste contexto, torna-se essencial a salvaguarda de confiança no sistema financeiro”, refere o documento.

Desde 2016, segundo a instituição, observam-se progressos significativos na redução do ‘stock’ de NPL e no aumento da sua cobertura por imparidades.

Em junho de 2018, o rácio de NPL reduziu-se 3,6 pontos percentuais para 11,7% e o rácio de cobertura por imparidade aumentou 7,1 pontos percentuais para 52,9%, face aos valores de há um ano.

“O aumento da solvabilidade dos principais bancos, a melhoria da atividade económica e a evolução dos preços do imobiliário têm criado um contexto favorável à redução dos ativos não produtivos”, refere.

Outro fator de vulnerabilidade do sistema bancário, sinaliza também, continua a ser a elevada concentração do sistema bancário português em determinadas classes de ativos, em particular a exposição a títulos de dívida pública, sobretudo doméstica (cerca de 9% do ativo total).

“No caso do setor segurador, a exposição ao soberano doméstico tem vindo a reduzir-se nos últimos anos, mas mantendo-se em percentagem do ativo num nível bastante superior ao do setor bancário”, segundo o BdP.

Ler mais
Recomendadas

Bankia negoceia venda de ativos imobiliários e malparado ao Lone Star

O comunicado à CNMV surge depois de o diário espanhol El Confidencial ter noticiado hoje que o Bankia estava a negociar a venda de uma carteira de ativos e de créditos avaliados em 3.000 milhões de euros ao fundo norte-americano Lone Star.

Sabadell vende 80% de empresa imobiliária a fundo sueco por 300 milhões de euros

O banco espanhol consegue uma injeção de capital de 138 milhões de euros com este negócio. A Solvia está ligada ao setor do imobiliário, sendo agora detida quase na totalidade pela Lindorff, um grupo que pertence ao fundo sueco Intrum AB.

Sabe o que é o Mapa de Responsabilidade de Crédito?

O Mapa de Responsabilidades de Crédito (MRC) é um documento disponibilizado pelo Banco de Portugal. É neste documento que se registam os créditos existentes em nome de cada pessoa singular (ou coletiva) nas instituições financeiras que operam em Portugal (atualmente com referência a partir de 2013). Portanto, é no MRC.
Comentários