Banco dinamarquês lança empréstimo histórico a taxas de juros negativas

O Jyske Bank, a terceira maior instituição bancária da Dinamarca, vai mesmo pagar aos mutuários 0,5% ao ano para fazerem um empréstimo.

O banco dinamarquês Jyske Bank lançou o primeiro empréstimo à habitação do mundo a taxas de juros negativa, distribuindo créditos a dez anos proprietários de imóveis com uma taxa anual de – 0,5%. A instituição bancária da Dinamarca vai pagar aos mutuários para que, depois, estes possam pagar menos do que pediram emprestado.

O terceiro maior banco da Dinamarca anunciou recentemente que começou a oferecer aos mutuários um contrato de 10 anos a -0,5%, após um outro banco dinamarquês, o reconhecido Nordea, revelar que iria começar a oferecer contratos a 20 anos a 0% e a 0,5% a 30 anos.

Em comunicado, o Jyske Bank clarificou que os clientes continuarão a fazer o pagamento mensal como é habitual, mas o montante pendente será reduzido a cada mês. “Não lhe damos o dinheiro diretamente na mão, mas todos os meses a sua dívida será reduzida em mais do que o valor que pagou”, explicou Mikkel Høegh, economista do Jyske para a área de Habitação/Imobiliário.

O esclarecimento do banco tem inclusive uma série de perguntas e respostas como a seguinte: «Como é que isso é possível?» «Sim, eu também quase não entendo, mas nós analisámos bem os extremos e pode ser muito possível ter uma taxa de juro negativa»

Em Portugal, a lei que obriga as instituições de crédito a refletirem totalmente a descida da Euribor nos contratos de crédito à habitação entrou em vigor a 19 de julho de 2018. A legislação em causa aplica-se aos contratos de crédito para a financiar a compra ou a construção de habitação própria permanente, secundária ou para arrendamento.

“Por força destas regras, nas situações em que a soma do indexante com o spread resultar numa taxa de juro negativa, as instituições de crédito estão obrigadas a refletir integralmente essa taxa nos montantes a pagar pelos clientes no âmbito dos contratos em causa”, refere o Banco de Portugal. Assim, os bancos podem optar por “deduzir o valor negativo apurado ao capital em dívida na prestação vincenda” ou “constituir um crédito a favor do cliente, o qual será deduzido aos juros vincendos a partir do momento em que estes passem a ser positivos”, de acordo com o banco central.

Taxas de juro negativas: é verdade que o banco me vai pagar para emprestar dinheiro?

Ler mais
Recomendadas
Bunq

Clientes em Portugal do banco digital Bunq podem usar o Apple Pay a partir de hoje

O Bunq foi fundado por Ali Niknam que já injetou mais de 44 milhões do próprio bolso para financiar o banco digital holandês.

Investimento da banca no digital não cativa investidores

A consultora norte-americana Oliver Wyman concluiu que apenas um quarto dos investidores inquiridos na eficácia das transformações digitais operadas pelos bancos tradicionais muito por causa da incerteza associada à mutação do setor financeiro.

Banco de Portugal confirma que “considera todos os factos novos” na idoneidade dos acionistas do EuroBic

Em função da avaliação da informação recebida, “o Banco de Portugal retirará as devidas consequências, nomeadamente em matéria prudencial e contraordenacional”, diz o supervisor em comunicado referindo-se à investigação ao cumprimento dos deveres a que o EuroBic está sujeito em matéria de prevenção do branqueamento de capitais.
Comentários