Banco do BCP na Polónia sobe lucros para 37,3 milhões de euros no primeiro trimestre

O resultado líquido do Millennium Bank aumentou 3% face ao mesmo período de 2018.

Os lucros do polaco Millennium Bank, detido maioritariamente (50,1%) pelo Banco Comercial Português (BCP), aumentaram 3% no primeiro trimestre de 2019, em termos homólogos, para 160 milhões de zlótis (cerca de 37,3 milhões de euros).

Em comunicado enviado esta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco liderado por Miguel Maya apontou o “forte crescimento da margem financeira” e a “levada qualidade dos ativos e liquidez” como motores da melhoria no resultado consolidado da instituição com sede em Varsóvia.

O banco teve um Return On Equity (ROE ou rendibilidade dos capitais próprios) de 10,3% (9,1%, ajustado de itens não habituais*), o que corresponde a um ligeiro acréscimo de 0,6 pontos percentuais (p.p.) face ao primeiro trimestre de 2018.

Nos primeiros três meses de 2019, o rácio de eficiência do Millennium Bank fixou-se nos 44,6% (46,1%, excluindo itens não habituais), menos 1,3 p.p. comparativamente ao mesmo período do ano passado.

Na mesma nota divulgada pelo regulador dos mercados, o BCP refere que os custos operacionais [+0,9%] foram pressionados pelas “contribuições obrigatórias para o Fundo de Resolução e FGD”. “As comissões aumentaram 1,0% face ao trimestre anterior, tendo diminuído 5,4% em termos homólogos, devido a condições de mercado adversas”, refere esta entidade financeira.

Quanto à margem financeira, aumentou 14,6% em relação ao trimestre de 2018 e manteve-se estável quando comparada com a do trimestre anterior.  De salientar ainda que o rácio de crédito com imparidade (stage 3) ficou em 4,4% com a cobertura por imparidades nos 73%, o rácio de capital total nos 25,6% e o rácio de CET1 em 21,5%, após considerar a retenção dos resultados de 2018.

Notícia atualizada às 8h10

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários