Banco holandês ING também quer o Commerzbank

Fontes da instituição financeira disseram à revista financeira alemã “Manager Magazin” que o ING contactou o governo de Berlim e Martin Zielke, CEO do Commerzbank, para integração de negócios. Ralph Hamers, CEO do ING, até está disposto a mudar a sede de Amsterdão para Frankf

O conterrâneo Deutsche Bank, o italiano Unicredit e agora o holandês ING. Todos querem chegar à mesa de conversações com o Commerzbank e entrar na corrida a uma possível fusão de negócios ou Oferta Pública de aquisição (OPA). A revista financeira alemã “Manager Magazin” noticia esta quarta-feira que a instituição financeira contactou o Commerzbank para sugerir uma integração.

Citando fontes anónimas do ING, esta publicação mensal refere que o banco em causa contactou o governo de Berlim (que tem uma participação de 15% no grupo alemão desde o bailout de 2009) e o seu CEO, Martin Zielke. Contudo, o gestor bancário ainda não pretende avançar com conversas formais.

O holandês – que está presente na Alemanha através do ING-DiBa – terá tentado um ‘piscar de olhos’ diferente, nomeadamente na questão dos trabalhadores e na sede. Tal como um membro do board Commerzbank admitiu, a fusão com o Deutsche Bank para criar o terceiro ou quarto maior da Europa, poderia causar 30 mil despedimentos. O CEO do ING garante que iria cortar menos empregos em caso de ‘luz verde’ ao acordo com o seu banco. Ralph Hamers terá dito ainda que estaria disposto a mudar sede global do ING de Amsterdão para Frankfurt.

Há duas semanas, o jornal britânico “Financial Times” avançava que o Unicredit  estaria a preparar o lançamento de uma OPA sobre o Commerzbank se as negociações com o Deutsche Bank (que iram criar um megabanco germânico ou um “campeão nacional”, como o ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, caracterizou) fracassassem.

Na bolsa de Amsterdão, o ING está a recuar os ligeiros 0,50%, para 11,92 euros. Já o Deutsche Bank soma 1,58%, para 7,89 euros, o índice alemão DAX. O banco italiano sobe 0,56%, para 12,95 euros na Bolsa de Milão.

Relacionadas

Italianos do Unicredit ponderam OPA sobre o alemão Commerzbank

Interesse dos italianos é antigo, mas está agora dependente da possível operação de fusão entre o Commerzbank e o Deutsche. Se esta operação, falhar, o Unicredit pode avançar – se o governo alemão estiver de acordo.

Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank coloca em perigo 30 mil empregos

A possibilidade de uma fusão de ambas as instituições, tema primeiramente espoletado em 2016, tem suscitado dúvidas junto dos acionistas e dos sindicatos, após a confirmação de que estão a decorrer negociações nesse sentido.

‘Deutsche-Commerzbank’: o terceiro maior banco da Europa

Politicamente, a Alemanha quer um banco forte que seja capaz de concorrer na cena internacional com as grandes instituições bancárias, leia-se, a banca norte-americana. A fusão poderá traduzir-se numa justificação política para as perdas devido à reestruturação dos dois bancos.
Recomendadas

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Tranquilidade: “Apollo teve um papel fundamental na nossa recuperação”

“A Apollo teve um papel fundamental na nossa recuperação, aportando capital e know-how num momento crítico, reestruturando o balanço e desencadeando a integração e transformação fundamentais à nossa sustentabilidade”, escreve a Tranquilidade aos seus parceiros comerciais.

Parlamento aprova auditoria independente ao Novo Banco pós-resolução

O projeto de lei, apresentado pelo PSD, foi aprovado esta sexta-feira na Assembleia da República. Os deputados, à exceção do PS, concordam que é “indispensável” que seja avaliado o que se passou desde a resolução do Novo Banco e seja devidamente explicada a dimensão da injeção e ajuda pública envolvida.
Comentários