Banco Mundial avisa que mais de 60 milhões de pessoas poderão atingir “pobreza extrema” devido à pandemia

O banco espera que o crescimento económico mundial “encolha” 5% e, como consequência, milhares de empresas serão obrigadas a encerrar portas arrastando milhões de pessoas para o desemprego, passando a subsistir com menos de dois euros por dia.

Com a pandemia de Covid-19 a empurrar a economia mundial para terreno negativo, o Banco Mundial alertou para o risco de milhões de pessoas atingirem níveis de “pobreza extrema”.

David Malpass, presidente do Banco Mundial, garante que os recursos fornecidos pela entidade não serão suficientes, avança a BBC esta quarta-feira.

O banco espera que o crescimento económico mundial “encolha” 5% e, como consequência, milhares de empresas serão obrigadas a encerrar portas arrastando milhões de pessoas para o desemprego.

David Malpass, explica que “milhões de meios de subsistência foram destruídos” e realça que “os sistemas de saúde continuam sob pressão em todo o mundo”.

Segundo as estimativas do banco, a crise económica provocada pela pandemia de Covid-19, poderá levar a que 60 milhões de pessoas vivam em condições de “pobreza extrema”. O Banco Mundial define “pobreza extrema” pessoas que vivam com menos de 1,90 dólares (1,70 euros) diariamente, por pessoa.

“A nossa estimativa é de que até 60 milhões de pessoas serão levadas à extrema pobreza. Isso fará com que todo o progresso alcançado no alívio da pobreza nos últimos três anos seja apagado”, alertou Malpass.

O banco, com sede em Washington, está a oferecer 160 mil milhões de dólares (146 mil milhões de euros) em doações e empréstimos com juros baixos para ajudar os países mais pobres a enfrentar a crise. Malpass afirmou que 100 países, onde vivem 70% da população mundial, já receberam o financiamento de emergência.

“Enquanto o Banco Mundial estiver a fornecer recursos consideráveis, estes não serão suficientes”, acrescentou. Malpass não escondeu a sua frustração com os credores comerciais que, segundo ele, estão atrasados na oferta de alívio da dívida aos países mais pobres. “Os credores comerciais ainda estão, regra geral, a receberem pagamentos dos países mais pobres e é necessário que haja um movimento mais rápido”.

O Banco Mundial trabalha diretamente com o Fundo Monetário Internacional (FMI) no sentido de desenvolver uma estratégia que permita aos países mais pobres solicitar um alívio na dívida dos pagamentos de empréstimos em dívida aos membros do G20 até o final deste ano.

Ao mesmo tempo, Jamie Dimon, presidente-executivo do banco JP Morgan, disse que a pandemia de coronavírus pode servir como um “alerta” para construir uma sociedade mais justa.

“Tenho uma esperança fervorosa que  consigamos utilizar esta crise como um catalisador para reconstruir uma economia que cria e sustenta oportunidades para muito mais pessoas, especialmente aquelas que foram deixadas para trás durante muito tempo”, segundo o líder do banco norte-americano.

Ler mais
Recomendadas

Costa diz que Conselho de Ministros prepara-se para tomar medidas hoje perante “alarmante propagação da pandemia”

Depois de Portugal ter atingido o pior dia da pandemia desde o seu início há 10 meses, o Governo reúne-se hoje. Fonte do executivo avançou que o Governo vai encerrar as escolas e universidades do país a partir de sexta-feira, segundo a agência Lusa.

Presidenciais: Ferro afirma que voto no domingo é um ato de resistência contra o vírus

“Votar é uma obrigação indeclinável que as circunstâncias atuais não tornam impeditiva, como pudemos verificar no passado domingo, com a alta participação de quem exerceu antecipadamente o seu voto. Votar é uma das formas de defender a República e a democracia. Votar é também uma forma de resistência”, sustenta o presidente da Assembleia da República.

Presidente da República concorda com fecho de escolas e universidades: “É uma boa solução”

O Governo prepara-se para decidir hoje o fecho das escolas e universidades a partir de sexta-feira, segundo fonte do executivo citada pela Lusa. Portugal atingiu ontem o pior dia em mortes e infeções desde o início da pandemia há 10 meses.
Comentários