Banco Português de Fomento recusa empréstimo de 30 milhões à Groundforce

Para a recusa do empréstimo, o BPF argumentou com a “ausência da aprovação e implementação efetiva por parte da administração da Groundforce, de um plano de reestruturação profundo, que adeque a estrutura de custos à nova realidade de receitas, e à recuperação lenta esperada para o setor da aviação comercial”.

Rafael Marchante/Reuters

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de “disponibilidade financeira robusta dos acionistas”.

De acordo com um documento a que a Lusa teve acesso, o BPF informou o presidente do Conselho de Administração da SPdH/Groundforce, Alfredo Casimiro, de que o pedido de financiamento de 30 milhões de euros, pelo prazo de seis anos e carência de 18 meses “não mereceu aprovação”.

“Depois de efetuado um levantamento de esclarecimentos adicionais que entendemos necessários, nas diversas reuniões técnicas conjuntas entre a equipa do BPF, da CGD [Caixa Geral de Depósitos] e Administração da Groundforce, consideramos, conforme transmitido, existirem reservas quanto à viabilidade económica e financeira da empresa, bem como à sua capacidade de reembolsar a linha de crédito solicitada”, informou a entidade.

Para a recusa do empréstimo, o BPF argumentou com a “ausência da aprovação e implementação efetiva por parte da administração da Groundforce, de um plano de reestruturação profundo, que adeque a estrutura de custos à nova realidade de receitas, e à recuperação lenta esperada para o setor da aviação comercial”.

Adicionalmente, foi também apontada a falta de garantia da “disponibilidade financeira robusta dos acionistas para cobrirem os mais de 40M [milhões] de prejuízos previstos para 2020-2021, e desta forma estabilizarem a recapitalização do balanço da empresa em todo o horizonte temporal da operação”.

Por fim, o BPF refere ainda que as licenças emitidas pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) para Groundforce, operar nos aeroportos nacionais, cessam a sua validade entre 2023 e 2025, sendo que “neste último ano, 70% do financiamento ainda estará por liquidar, podendo a empresa deixar de ter condições para operar”.

Ler mais
Recomendadas
Miguel Maya

Saíram 190 colaboradores até março, e “no momento oportuno” o BCP anunciará o plano

Dois temas revelantes foram questionados ao presidente do BCP na apresentação de resultados. O primeiro sobre o plano de saída de pessoal que o mercado espera que seja anunciado e o segundo sobre o financiamento ao Fundo de Resolução para injetar no Novo Banco. No primeiro Miguel Maya prometeu anunciar “em momento oportuno”, no segundo disse que o BCP, que faz parte do sindicato bancário, “tem sido diligente” e que “não é o BCP que atrasa o que quer que seja”.

Novo Banco: Ministério fixou “limite inferior do intervalo” para capitalização

O antigo governador do Banco de Portugal Carlos Costa assegurou hoje que o “limite inferior do intervalo” para capitalizar o que viria a ser o Novo Banco foi determinado pelo Ministério das Finanças, contrariando declarações de Maria Luís Albuquerque.

Novo Banco: “Não houve nenhuma complacência” com a família Espírito Santo

“Não houve nenhuma complacência nessa matéria. Mas houve um grande rigor do ponto de vista da constituição de provas, porque não basta ter sentimentos, não basta ter indícios”, disse hoje no parlamento o antigo governador, respondendo a João Paulo Correia (PS) sobre o adiamento da família Espírito Santo do banco.
Comentários