Bancos da Venezuela deverão abandonar Maestro, Visa e Mastercard antes de 2020

O Banco Central da Venezuela e a Superintendência das Instituições do Setor Bancário emitiram uma resolução conjunta que ordena aos bancos a criação de uma rede doméstica de processamento de transações, avançou a imprensa local.

O Banco Central da Venezuela e a Superintendência das Instituições do Setor Bancário emitiram uma resolução conjunta que ordena aos bancos a criação de uma rede doméstica de processamento de transações, avançou segunda-feira a imprensa local.

Segundo os meios de comunicação social venezuelanos, a resolução SIB-DSB-04714, de 16 de maio último, ordena os bancos a deixarem de operar com os cartões de débito até 30 de novembro de 2019 e os cartões de crédito Visa e Mastercard antes de 01 de janeiro de 2020.

De acordo com a revista ‘Banca e Negócios’, este “sistema soberano” de pagamentos deverá ser criado nos próximos 60 dias e deve fazer uso maciço da identificação biométrica dos clientes dos bancos.

Deverá ainda “permitir a autorização de transações eletrónicas de pagamentos, validadas sob o fator de autenticação de biometria” com “elemento de segurança” de categoria 5, superior “ao uso da chave ou PIN associado ao cartão de débito tradicional”.

Por outro lado, a banca deverá promover o uso maciço de serviços de Pagamento Móvel Interbancário Pessoa a Pessoa (P2P, via sms) e Pessoa a Comércio (P2C), a partir do próximo 30 de julho, “para permitir aos clientes que ordenem pagamentos em tempo real”.

Estas medidas surgem como resposta às sanções dos Estados Unidos e especificamente à previsão de que as franquias Visa e Mastercard sejam obrigadas pela administração do Presidente dos EUA, Donald Trump, a deixar de operar com bancos venezuelanos.

Ainda segundo a imprensa venezuelana, desde 2011 que a banca local tem tentado desenvolver um sistema de pagamentos autóctone, uma vez que os organismos regulares não querem que os dados das transações originadas na Venezuela sejam conhecidos no estrangeiro.

Dificuldades para a criação desse sistema levaram a banca venezuelana a acudir à empresa argentina Ex-Clé (a mesma que usa atualmente o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela) para gerir a identificação biométrica.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

“Aquisições devem aportar valor para os acionistas”. CEO do Deutsche Bank trava expectativas sobre compra de negócios da Wirecard

Christian Sewing, CEO do banco alemão, revelou que a “a tecnologia de pagamentos é interessante para o Deutsche Bank, que é um dos bancos líderes no serviço de pagamentos em todo o mundo”, mas alertou que qualquer aquisição “deve sempre aportar valor para os acionistas.

Mediadora de seguros contrata 100 pessoas em plena crise de pandemia

“O aconselhamento em seguros, considerando a pandemia que assolou Portugal, é agora mais importante do que nunca e a Certezza pretende expandir a sua rede de agentes no mercado português”, destaca a mediadora. Para atingir esse objetivo, a Certezza promete pagar valores acima da média do mercado de modo a contratar os melhores recursos e investir na formação.
Comentários