Bancos digitais têm mais de 150 mil clientes em Portugal

Entre as funcionalidades que atraem os portugueses estão a abertura de contas em poucos minutos ou até segundos, as transferências internacionais gratuitas, as trocas cambiais a taxas mais baixas, pagamentos instantâneos, etc.

Os bancos digitais, como o Revolut, o Lydia, o Monese e o N26, já têm mais de 150 mil clientes em Portugal, de acordo com os dados recolhidos pelo “Jornal de Negócios” e divulgados na edição desta segunda-feira.

Entre as funcionalidades que atraem os portugueses estão a abertura de contas em poucos minutos ou até segundos, as transferências internacionais gratuitas, as trocas cambiais a taxas mais baixas, pagamentos instantâneos, etc.

As fintech em causa referiram ao diário de economia que pretendem continuar a aumentar o leque de serviços disponíveis, como o crédito e a negociação de títulos. “Simplicidade, funcionalidade e baixo custo” são as três características principais que as unem, segundo o economista da IMF Filipe Garcia.

Relacionadas

Pagaqui: “Os pagamentos em numerário vão desaparecer”

O CEO da Pagaqui, João Barros, controla uma rede de 3.000 pontos de venda no país e vai lançar este trimestre uma “carteira digital”. Já assinou um contrato para entrar no mercado brasileiro.

Raize. Fintech portuguesa lança-se nos depósitos bancários

Raize vai lançar este ano ferramenta que se propõe a “fomentar a poupança dos portugueses”.

Revolut vai aceitar depósitos de salários dos portugueses

A fintech britânica, conhecida como “Amazon da banca”, atingiu os 100 mil clientes em Portugal e aproveitou a ocasião para anunciar que a aplicação vai “falar Português” e permitir depósitos.

Easypay: a fintech que não se quer tornar num banco

Numa só plataforma digital, a easypay concentra os meios de pagamento mais utilizados em Portugal. Uma vantagem numa altura em que se fala no abandono progressivo dos pagamentos em numerário.
Recomendadas

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

PremiumCTT injetam 100 milhões no banco para comprar 321 Crédito

BCE autorizou aquisição porque os CTT garantiram aumento de capital. Na AG, 44% do capital presente, incluindo o maior acionista Champalimaud, recusou menção de louvor à gestão de Lacerda.

PremiumCGD está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.
Comentários