Bancos digitais têm mais de 150 mil clientes em Portugal

Entre as funcionalidades que atraem os portugueses estão a abertura de contas em poucos minutos ou até segundos, as transferências internacionais gratuitas, as trocas cambiais a taxas mais baixas, pagamentos instantâneos, etc.

Os bancos digitais, como o Revolut, o Lydia, o Monese e o N26, já têm mais de 150 mil clientes em Portugal, de acordo com os dados recolhidos pelo “Jornal de Negócios” e divulgados na edição desta segunda-feira.

Entre as funcionalidades que atraem os portugueses estão a abertura de contas em poucos minutos ou até segundos, as transferências internacionais gratuitas, as trocas cambiais a taxas mais baixas, pagamentos instantâneos, etc.

As fintech em causa referiram ao diário de economia que pretendem continuar a aumentar o leque de serviços disponíveis, como o crédito e a negociação de títulos. “Simplicidade, funcionalidade e baixo custo” são as três características principais que as unem, segundo o economista da IMF Filipe Garcia.

Relacionadas

Pagaqui: “Os pagamentos em numerário vão desaparecer”

O CEO da Pagaqui, João Barros, controla uma rede de 3.000 pontos de venda no país e vai lançar este trimestre uma “carteira digital”. Já assinou um contrato para entrar no mercado brasileiro.

Raize. Fintech portuguesa lança-se nos depósitos bancários

Raize vai lançar este ano ferramenta que se propõe a “fomentar a poupança dos portugueses”.

Revolut vai aceitar depósitos de salários dos portugueses

A fintech britânica, conhecida como “Amazon da banca”, atingiu os 100 mil clientes em Portugal e aproveitou a ocasião para anunciar que a aplicação vai “falar Português” e permitir depósitos.

Easypay: a fintech que não se quer tornar num banco

Numa só plataforma digital, a easypay concentra os meios de pagamento mais utilizados em Portugal. Uma vantagem numa altura em que se fala no abandono progressivo dos pagamentos em numerário.
Recomendadas

Trabalhadores do Montepio temem que instabilidade se reflita nos resultados anuais

A Comissão de Trabalhadores refere-se às “sucessivas alterações” nos órgãos sociais do Banco Montepio. Os trabalhadores queixam-se ainda do modelo de progressão de carreiras e querem ser envolvidos no Plano de Transformação anunciado por Carlos Tavares.

CMVM, Banco de Portugal e ASF na nova autoridade de resolução

A reforma da supervisão financeira inclui a criação de uma autoridade de resolução bancária que vai ter na administração dois membros do BdP, um da CMVM, um da ASF e um quinto, que virá de fora.

Inibição e Idoneidade de Tomás Correia estão atribuídas a diferentes reguladores

O Governo reagiu ontem às declarações do presidente da Autoridade de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), de sexta-feira à agência Lusa e que hoje estão reproduzidas no jornal Expresso, dizendo que cabe ao regulador dos seguros pronunciar-se sobre a idoneidade de Tomás Correia.
Comentários