Bancos vão emprestar uma linha única de 475 milhões ao Fundo de Resolução para injetar no Novo Banco (com áudio)

O valor da injeção do Fundo de Resolução ronda os 430 milhões de euros descontando, quer o diferendo em relação à contabilização das perdas com a sucursal em Espanha, de 166 milhões de euros, quer o prémio da comissão executiva do banco, de 1,86 milhões de euros, que foi aprovado, mas que foi diferido.

O sindicato bancário composto por sete bancos irá disponibilizar uma linha de crédito de 475 milhões de euros ao Fundo de Resolução, dos quais cerca de 430 milhões de euros serão usados já para capitalizar o Novo Banco, apurou o Jornal Económico.

Ao contrário do que foi avançado pela imprensa, não haverá duas tranches no empréstimo dos bancos ao Fundo de Resolução.

O valor da injeção do Fundo de Resolução ronda os 430 milhões de euros descontando, quer o diferendo em relação à contabilização das perdas com a sucursal em Espanha, de 166 milhões de euros, quer o prémio da comissão executiva do banco, de 1,86 milhões de euros, que foi aprovado, mas que foi diferido para ser pago depois do fim do período de reestruturação do banco, acaba no fim deste ano.

(leia mais na edição desta sexta-feira no Jornal Económico)

Relacionadas

Chamada de capital do Novo Banco baixa para 596,4 milhões e deverão ser já pagos 430,4 milhões

A chamada de capital ao Fundo de Resolução vai baixar dos 598,3 milhões de euros anunciados por António Ramalho para 596,44 milhões, uma vez que vai ser descontado o prémio diferido atribuído à Comissão Executiva do Novo Banco de 1,86 milhões de euros. Tendo em conta o diferendo em relação às perdas com a operação em Espanha, o valor injectado será de 430,4 milhões, com o desconto do prémio dos administradores.

Marcelo diz que “portugueses estão atentos” à situação do Novo Banco

“O Presidente da República não vai comentar os critérios de gestão de cada instituição, mesmo de uma que tem vivido com apoios fruto de compromissos assumidos pelo Estado sobre a forma de garantias indiretas”, acrescentou.

Ministério das Finanças considera inadequados os prémios de gestão aos administradores do Novo Banco

As Finanças consideram inadequado o pagamento de prémios aos administradores do Novo Banco e disseram acreditar que o Fundo de Resolução irá descontar esse valor na chamada de capital, o que o Banco de Portugal já disse entretanto que acontecerá.
Recomendadas

Maiores bancos fecham primeiro semestre com menos 240 agências e 1.474 trabalhadores

Os cinco maiores bancos a operar em Portugal perderam 240 agências e 1.474 trabalhadores entre o primeiro semestre de 2020 e o mesmo período deste ano, segundo contas da Lusa com base nos dados divulgados pelas instituições.

Sete anos de resolução do BES: o que foi decidido?

O fim do Banco Espírito Santo foi decretado a 3 de agosto de 2014 por Carlos Costa, ex-Governador do Banco de Portugal. Conheça o que foi decidido nessa data em que o banco central colocou fim à instituição centenária fundada pela família Espírito Santo, considerada a última dinastia de banqueiros em Portugal.

Dos custos do Novo Banco às injeções de milhões. Sete anos depois, o que sobra da resolução do BES?

Os cálculos do Jornal Económico revelam que a capitalização do banco hoje liderado por António Ramalho somam 11.578 milhões de euros.
Comentários