Bankinter Consumer Finance e Mapfre Portugal em parceria para cartão de crédito

“Queremos replicar em Portugal o modelo de sucesso de parcerias construído nos últimos 15 anos em Espanha”, explica António Seixas, Diretor do Bankinter Consumer Finance Portugal.

O Bankinter Consumer Finance, filial de crédito ao consumo do Grupo Bankinter, e a Mapfre fizeram uma parceria em Portugal para lançar um novo cartão de crédito, o Mapfre bankintercard.

O novo cartão de crédito, exclusivo para clientes Mapfre, “permite uma economia até 60 euros por ano no preço (prémio) das apólices desta seguradora, com descontos de até 3% do valor das compras efetuadas com o cartão na modalidade de pagamento parcial, até ao máximo de 5 euros por mês. Este cartão não tem anuidade e não obriga à mudança de banco”, anuncia o Bankinter.

O Cartão “reforça a oferta de cartões de crédito do Bankinter Consumer Finance no “Open Market”, segmento em que opera com a marca bankintercard desde março de 2018”, adiantam.

“Queremos replicar em Portugal o modelo de sucesso de parcerias construído nos últimos 15 anos em Espanha”, explica António Seixas, Diretor do Bankinter Consumer Finance Portugal.

Recorde-se que o Bankinter e a Mapfre têm colaborado mutuamente na criação de uma oferta alargada de produtos para clientes particulares e empresas, na sequência da parceria estabelecida em julho de 2017.

“O lançamento do novo cartão de crédito é mais um passo no reforço da relação entre as duas entidades, numa parceria que tem como objetivo criar sinergias que resultem em benefícios para os Clientes de ambas as empresas”, sublinha Alberto Ramos, CEO Bankinter Portugal.

“Com este reforço na nossa proposta de valor, os clientes Mapfre podem acumular benefícios cada vez que utilizem o seu cartão de crédito nas compras do dia-a-dia, que depois se convertem em descontos nas suas apólices ou na contratação de novas”, refere Luís Anula, CEO da Mapfre Portugal no comunicado.

Recomendadas

PJ já foi buscar obras de arte à casa de João Rendeiro (com áudio)

Das 124 obras de arte do banqueiro em fuga, 15 desapareceram e três já foram identificadas como falsas pela PJ, revela o “CM”.

EuroBic com prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre

O EuroBic registou prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre, graças a imparidades de ativos financeiros não mensurados pelo justo valor de 13,5 milhões de euros.

Venda do Novo Banco há 4 anos “foi indispensável para garantir a estabilidade financeira”, diz Máximo dos Santos

Faz esta segunda-feira quatro anos que o banco que Bruxelas queria que fosse liquidado foi vendido à Lone Star. Luís Máximo dos Santos e Sérgio Monteiro, ambos protagonistas na operação de venda de 75% do Novo Banco, defendem ao JE que foi a solução que melhor salvaguardou a estabilidade. Numa trajetória de lucros, o Novo Banco prepara-se para apresentar a nova imagem esta semana.
Comentários