Bankinter desce spread em Crédito Habitação para 1,15%

O Bankinter volta a alterar as condições no seu Crédito Habitação, descendo o spread mínimo para 1,15%, o mais baixo do mercado.

Andrea Comas/Reuters

A subsidiária do espanhol Bankinter em Portugal baixou os spreads no Crédito Habitação, apresentando agora um spread mínimo de 1,15%. A nova oferta posiciona o Bankinter como o banco com o spread mínimo mais baixo no mercado nacional de Crédito Habitação.

As novas taxas do Bankinter são um spread de 1,15% para montantes superiores a 150 mil euros; 1,35% para montantes entre os 100 e os 150 mil euros; e 1,50% para montantes até 100 mil euros (mas considerando a subscrição de outros produtos no Banco).

O banco que comprou o Barclays está apostado numa conquista agressiva de quota de mercado no crédito à habitação. O banco complementa a informação dizendo que terminou o terceiro trimestre de 2017 com um sólido rácio de capital CET1 fully loaded de 11,5% e uma taxa de incumprimento de 3,72%, resultado de uma gestão rigorosa dos riscos.

“O facto de termos voltado a lançar a oferta mais competitiva em Crédito Habitação no mercado português mostra o nosso empenho em sermos uma referência em Portugal e que continuamos a apoiar as famílias portuguesas nos seus projetos mais importantes”, refere no comunicado Alberto Ramos, Country Manager do Bankinter Portugal.

O Banco apresenta ainda uma oferta de Taxas Fixas com vários prazos disponíveis e mantém a campanha de transferência de Crédito Habitação, lançada em setembro do ano passado, através da qual suporta até 1,25% do capital transferido nos custos das transferências de Créditos Habitação para o Bankinter, refere a nota de imprensa.

“O Bankinter também mantém a isenção de comissões no crédito complementar, efetuado em simultâneo com a transferência do crédito, bem como o acesso ao crédito complementar com mesmo spread aplicado ao crédito transferido”, diz o banco.

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Lei das moratórias dá opção aos mutuários de só suspenderem o capital sem capitalizar os juros

As prestações ao banco vão subir para quem recorrer à moratória pública aprovada pelo Governo. Mas o documento dá a opção de o cliente só suspender o reembolso de capital continuando a pagar os juros, para não subir a prestação ao fim de seis meses.

BCP junta-se ao Movimento Portugal #EntraEmCena para salvar a cultura da crise da Covid-19

No global, este movimento representa, um investimento de mais de um milhão de euros, através desta plataforma, em projetos que não poderão ultrapassar, cada um, os 20 mil euros. O BCP junta-se assim a entidades como a Altice, BPI, CGD, Centro Cultural de Belém, EDP, Fidelidade, Montepio, entre outros para que o Covid-19 não acabe de vez com a cultura.
Comentários