Bankinter entra no Índice ESG Euronext Vigeo Eiris Eurozone 120

O índice é elaborado com os ratings atribuídos pela V.E – agência de classificação da Moody’s ESG Solutions ASG que está associada à Euronext, a maior bolsa de valores da Europa – que avaliou o desempenho do banco de acordo com critérios ambientais, sociais e de governo corporativo, explica o Bankinter.

O Bankinter reforçou a sua presença em índices de sustentabilidade com inclusão no ESG Euronext Vigeo Eiris Eurozone 120.

O banco espanhol que tem uma sucursal em Portugal passou a fazer parte deste índice, onde estão cotadas as 120 empresas mais sustentáveis ​​da zona euro.

A V.E (Vigeo Eiris), agência que actua nas áreas de Ambiente, Segurança e Governo Corporativo (ASG), líder na Europa e membro do Moody’s ESG Solutions Group, classificou o desempenho ambiental, social e de governo corporativo do Bankinter como “robusto”, o que permite ao Banco integrar este índice que reúne as 120 empresas mais sustentáveis ​​da Zona Euro.

“O índice é elaborado com os ratings atribuídos pela V.E – agência de classificação da Moody’s ESG Solutions ASG que está associada à Euronext, a maior bolsa de valores da Europa – que avaliou o desempenho do banco de acordo com critérios ambientais, sociais e de governo corporativo (ESG)”, explica o Bankinter.

Por outro lado, o Bankinter renovou em 2020, pelo terceiro ano consecutivo, a sua permanência no Dow Jones Sustainability Index World, além de continuar no índice de sustentabilidade FTSE4Good e obter a classificação A- no Carbon Disclosure Project.

“Para o banco, a Sustentabilidade é uma das suas prioridades estratégicas, onde vem investindo há décadas através de sucessivos Planos de Sustentabilidade executados em três linhas de atuação: social, ambiental e governo corporativo”, diz o Bankinter.

Recomendadas

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.
Comentários