Bankinter Portugal vai avançar com banca de investimento

O banco que tem como responsável em Portugal Alberto Ramos quer afirmar-se na banca de investimento, complementar à banca de empresas.

A banca de investimento é um dos projectos do Bankinter Portugal para este ano. O banco, que em Portugal tem como responsável Alberto Ramos, acaba de contratar um responsável para a banca de investimento no nosso país. Joaquim Castro vai liderar a área que vai fornecer às empresas actividades de assessoria financeira em fusões e aquisições, em mercados de dívida, em mercado primário de ações, entre outras. O banco de investimento trabalhará com a equipa de banca de Espanha, que inclui já área de research (que é abrangida pelas alterações introduzidas pela nova diretiva dos mercados – DMIF II).

Maria Dolores Dancausa, presidente do Bankinter, apresentou os resultados de 2017 (495 milhões de euros) elogiando sempre Portugal, que “está de moda”, diz. A aposta em Portugal é no crédito a empresas, tendo o banco subido 21% em 2017. Em Espanha a banca de empresas pesa 30% do negócio.

Ainda assim 80% da carteira de crédito em Portugal é credito a particulares. No crédito à habitação o banco tem vindo a crescer e tem já uma quota de mercado de 5,7%. O Bankinter em Portugal não pensa cortar o spread mínimo do crédito à habitação abaixo dos 1,15%, o mais baixo do mercado.

O banco espanhol, que está em Portugal através de uma sucursal (ex-Barclays), tem como meta aumentar o crédito a empresas, pois a operação que herdou do banco britânico é maioritariamente composta por crédito a particulares.

“Dos 17 mil novos clientes em Portugal, 13,8 mil são particulares e 3,2 mil são empresas, e destes a grande maioria são PME. Maria Dolores Dancausa explicou ainda, num encontro com jornalistas, que em Portugal o banco aposta em empresas espanholas com negócios no país vizinho e empresas portuguesas com negócios em Espanha. Mas também em empresas portuguesas que não têm atividade com Espanha. A grande aposta do Bankinter no setor corporativo em Portugal centra-se essencialmente nas empresas (PME) exportadoras e para isso lançou a plataforma de negócios internacional. Vai também abrir dois centros de empresas até 2 de fevereiro e esses são os únicos balcões que vão abrir, pois o Bankinter quer ser um banco com uma forte componente digital em Portugal, tal como em Espanha e por isso consideram que a rede física (81 agências) atual é suficiente.

O Bankinter Portugal pesou 7% nas receitas da casa-mãe, e o banco, numa perspectiva conservadora, prevê um crescimento deste contributo para 10% em 2019. Afastado está o crescimento por aquisições, quer em Portugal, quer em Espanha. O banco estudou o Deutsche Bank em Espanha mas não avançou e não tem interesse na unidade portuguesa.

O Bankinter é um banco que tem 91% dos seus clientes a usarem os canais digitais (dos quais 31% só se relacionam com o banco por esta via). Para Portugal Alberto Ramos disse que até ao fim de março lançam a abertura de conta à distância, só para residentes. Numa primeira fase será preciso a confirmação num balcão (assinatura presencial). No entanto até ao fim do primeiro semestre será implementada a abertura de conta por videoconferência com certificação digital. Não está assim previsto para já captar clientes de outros países através da banca online. A aposta no digital em Portugal passa ainda pelo desenvolvimento da mobile App e pelo desenvolvimento da contratação digital para algumas áreas como crédito pessoal e fundos de investimento.

(*) – A jornalista viajou a convite do Bankinter

 

Esta notícia foi publicada na edição semanal do Jornal Económico, de acesso exclusivo para assinantes. Para ter acesso à edição digital escolha uma das seguintes assinaturas Jornal Económico Digital, ou faça log in aqui.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

Lesados do Banif acusam BdP de morosidade e falta de diálogo no processo de recuperação de perdas

A Associação dos Lesados do Banif teve a promessa do Governo que pediria ao Banco de Portugal uma avaliação das possibilidades de recuperação de perdas. Os lesados querem ter acesso ao relatório da Baker Tilly, mas a instituição liderada hoje por Mário Centeno respondeu em agosto, com a necessidade de análise e a imperativa consulta junto do Santander Totta que comprou os ativos do Banif e a Oitante que ficou com os ativos que o banco não quis. Só que até agora não há resposta.

BPI lança contratação 100% digital de seguros

O mundo está mais digital e o BPI acaba de lançar a contratação 100% digital (à distância) de seguros – Allianz Auto, Allianz Casa e BPI Vida Familiar – através do BPI Net e da BPI App.
Comentários