Banksy perde batalha legal e tem marca em risco

O caso remonta a 2004, quando a empresa Full Color Black quis registar como marca comercial uma imagem desenhada por Banksy em Jerusalém, a Flower Thrower, onde surge um homem a atirar um ramo de flores. O instituto da propriedade intelectual da União Europeia não reconhece a marca como sendo de Banksy porque o artista sempre manteve o anonimato

O artista conhecido por Banksy perdeu um processo judicial contra uma empresa de cartões comemorativos, Full Color Black, e a sua marca poderá estar “em risco”, segundo escreve o “The Guardian”, esta sexta-feira, 18 de setembro.

O Instituto da propriedade intelectual da União Europeia (EUIPO) explicou que escolheu contra o artista por não considerar que Banksy possa ser identificado como o proprietário inquestionável das obras porque sempre manteve o anonimato.

“Banksy optou por permanecer anónimo e, na maioria das vezes, pintar grafites na propriedade de outras pessoas sem a sua autorização, em vez de pintar num quadro ou numa propriedade própria”, frisou o EUIPO.

O caso remonta a 2004, quando a empresa Full Color Black quis registar como marca comercial uma imagem desenhada por Banksy em Jerusalém, a Flower Thrower, onde surge um homem a atirar um ramo de flores.

Para impedir que a Full Color Black conseguisse comercializar a Flower Thrower, Banksy abriu uma loja em Croydon, no sul de Londres. “Uma empresa de postais de felicitações está a contestar a marca registada que atribuo à minha arte”, referiu o artista em comunicado, acrescentando que estavam a tentar “ vender legalmente sua mercadoria falsa de Banksy”.

No entanto, o EUIPO considerou que a loja do artista, que inicialmente vendia apenas através da internet, vendia mercadorias “pouco práticas e ofensivas”. Entre os itens vendidos estavam bolas de discoteca feitas de capacetes ​​da polícia, bem como réplicas do colete esfaqueado usado pelo rapper Stormzy no seu espetáculo em Glastonbury, em 2019.

O painel de três juízes concluiu que “a sua intenção não era usar a marca como marca para comercializar mercadorias. Estas ações são inconsistentes com práticas honestas”.

Aaron Mills, advogado de marcas registadas da Blaser Mills, que representou a Full Color Black , apontou que a decisão pode significar que outras marcas registadas de Banksy estão em risco. “Se não houve intenção de uso, a marca é inválida e também existe a questão da fraude. Na verdade, todas as marcas registadas de Banksy estão em risco, pois todo o portfólio tem o mesmo problema ”, disse ao “World Trademark Review” citado pelo “The Guardian”.

O advogado da Full Color Black, sublinhou ainda à “BBC News” que a empresa que representa está “muito satisfeita com o resultado”. “Banksy sempre considerou que copyright era para perdedores, e se quisesse contestar que alguém utilizasse uma das suas obras, normalmente precisaria contar com o copyright”, afirmou Aaron Mills.

 

 

Relacionadas

Navio de Banksy pede ajuda no Mediterrâneo, após resgatar 130 migrantes. Há um morto a bordo

Um navio humanitário fretado no maior sigilo no Mediterrâneo pelo artista de rua britânico Banksy pediu ajuda imediata esta madrugada após um resgate massivo de migrantes e informou ter pelo menos um morto a bordo.
Recomendadas

NATO treina forças especiais afegãs na Turquia

O governo do Afeganistão está a passar por grandes dificuldades face ao movimento taliban desde que a NATO deixou o terreno – mas a organização continua a dar apoio. Entretanto, a Turquia fez saber que não enviará tropas para aquele país.

EUA: Crescimento no segundo trimestre desapontou, mas analistas antecipam forte retoma já na próxima leitura

Apesar dos dados desta semana terem ficado aquém das expectativas do mercado e dos analistas, o terceiro trimestre deverá ser de forte retoma e números impressionantes no crescimento, dada a expectativa de diminuição das dificuldades nas cadeias de fornecimento. Tal poderá significar já na segunda metade de 2022 uma economia norte-americana maior do que teria sido verificado sem crise pandémica, apontam ING e Pantheon.

Exportações de Angola ao abrigo do Prodesi superaram 20 milhões de euros no primeiro semestre

Entre os principais produtos exportados na primeira metade do ano estão cimento, no valor de 11,8 milhões de dólares (10 milhões de euros), cerveja, 5,2 milhões de dólares (4,38 milhões de euros), e embalagens e garrafas de vidro, que totalizaram 2,5 milhões de dólares (2,1 milhões de euros).
Comentários