Barragem do Fridão: Marques Mendes diz que Governo não vai avançar com construção

O comentador revelou que o Governo vai travar o projeto, contudo falta saber como indemnizar a EDP.

A barragem de Fridão, no rio Tâmega, junto a Amarante, que tem vindo a ser contestada pelas populações e ambientalistas, não vai ser concretizada. O Governo tinha de decidir até dia 18 de abril se o projeto da EDP avançaria ou não. Luís Marques Mendes avançou no domingo que a decisão será negativa

”Ao que apurei, a vontade do Governo é não avançar”, anunciou o comentador durante o Jornal da Noite, na SIC. ”Falta saber como indemnizar a EDP”. Se o projeto não avançar, a EDP poderá receber de volta 218 milhões de euros, a quantia que a empresa já gastou no projeto, segundo noticiou o jornal Público.

A construção da barragem de Fridão está prevista há mais de uma década, no âmbito do Plano Nacional de Barragens, mas a EDP, empresa à qual o complexo hidroelétrico foi concessionado, e o Governo têm adiado a sua concretização. Em abril de 2016, o Governo anunciou que decidiu suspender por três anos a barragem do Fridão.

 

Desde 2016 que a EDP aguardava luz verde para avançar com o complexo hidroelétrico, altura em que o Governo suspendeu para reavaliação deste e doutros processos de atribuição de licenças de produção elétrica.

Em janeiro, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, havia admitido no Parlamento que seria inevitável uma indemnização de cerca de dois milhões de euros à EDP, caso a decisão fosse de não avançar com a obra.

A albufeira da barragem de Fridão afetará os concelhos de Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto e uma pequena parcela do território de Ribeira de Pena.

Ler mais
Recomendadas

Hoje o dia é de chuva e vento. Temperaturas podem descer até aos 2 graus

O IPMA prevê no continente céu geralmente muito nublado, diminuindo de nebulosidade na região Sul a partir do início da manhã e aguaceiros, mais intensos no litoral Norte e Centro, podendo ser de granizo e acompanhados de trovoada.

Earth Day: Guterres alerta para a “urgência em proteger o ambiente”

A 22 de abril de 1970, foi criado, pelo senador norte-americano Gaylord Nelson o “Dia da Terra”, depois reconhecido pelas Nações Unidas em 2009, tendo sido instituído como “Dia Internacional da Terra”.

CPLP vai ter modelo de intervenção em caso de catástrofes

O ministro da Administração Interna cabo-verdiano anunciou esta segunda-feira a criação de “mecanismos de intervenção coordenada”, no âmbito da CPLP, que respondam prontamente em situações de emergência humanitária, como a que recentemente atingiu Moçambique.
Comentários