Barragem do Fridão: Marques Mendes diz que Governo não vai avançar com construção

O comentador revelou que o Governo vai travar o projeto, contudo falta saber como indemnizar a EDP.

A barragem de Fridão, no rio Tâmega, junto a Amarante, que tem vindo a ser contestada pelas populações e ambientalistas, não vai ser concretizada. O Governo tinha de decidir até dia 18 de abril se o projeto da EDP avançaria ou não. Luís Marques Mendes avançou no domingo que a decisão será negativa

”Ao que apurei, a vontade do Governo é não avançar”, anunciou o comentador durante o Jornal da Noite, na SIC. ”Falta saber como indemnizar a EDP”. Se o projeto não avançar, a EDP poderá receber de volta 218 milhões de euros, a quantia que a empresa já gastou no projeto, segundo noticiou o jornal Público.

A construção da barragem de Fridão está prevista há mais de uma década, no âmbito do Plano Nacional de Barragens, mas a EDP, empresa à qual o complexo hidroelétrico foi concessionado, e o Governo têm adiado a sua concretização. Em abril de 2016, o Governo anunciou que decidiu suspender por três anos a barragem do Fridão.

 

Desde 2016 que a EDP aguardava luz verde para avançar com o complexo hidroelétrico, altura em que o Governo suspendeu para reavaliação deste e doutros processos de atribuição de licenças de produção elétrica.

Em janeiro, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, havia admitido no Parlamento que seria inevitável uma indemnização de cerca de dois milhões de euros à EDP, caso a decisão fosse de não avançar com a obra.

A albufeira da barragem de Fridão afetará os concelhos de Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto e uma pequena parcela do território de Ribeira de Pena.

Ler mais
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários