Barragens no Tâmega vão forçar o abate de mais de mil sobreiros

Aos olhos do Governo, estes dois empreendimentos são de “imprescindível utilidade pública”. As duas barragens vão ser construídas pela eléctrica espanhola Iberdrola e vão custar mais de 1500 milhões de euros.

Mais de mil sobreiros, dos quais cerca de 40% são exemplares adultos, vão ser abatidos nas áreas que vão ser inundadas pela construção das barragens de Daivões e Alto Tâmega, em Trás-os-Montes, de acordo com um despacho publicado esta terça-feira, em Diário da Républica.

De acordo com a nota assinada pela secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza e pelo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, a Iberdrola “solicitou o abate de 444 sobreiros adultos e 701 jovens”, totalizando 1145 árvores, que se estendem por “cerca de 15,07 hectares”.

Esta não é a primeira vez que é autorizado o abate de sobreiros por causa dos empreendimentos hidroeléctricos do Tâmega. No final de 2016, o Governo deu luz verde à retirada de 608 árvores em cerca de 4,6 hectares localizados na área de construção da barragem de Gouvães, segundo o jornal “Público”.

O projeto de compensação das barragens de Daivões e Alto Tâmega implica a replantação dos sobreiros abatidos noutros pontos da região, com uma majoração de 20%. Ou seja, a Iberdrola tem que colocar mais de 1400 destas árvores.

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas aprovou o projeto da eléctrica espanhola, que passa pela arborização com sobreiro de uma área de 42,35 hectares nos perímetros florestais das serras do Barroso e da Cabreira.

GEOTA: “Obras como as barragens do Tâmega jamais deveriam entrar no categoria de ‘verdes’”

As três barragens e centrais hidroeléctricas que a Iberdrola está a construir no rio Tâmega (Gouvães, Daivões e Alto Tâmega) foram anunciadas como constituindo o maior empreendimento do género em toda a Europa, e o maior de sempre na Península Ibérica: abrange os municípios de Ribeira de Pena, Boticas, Vila Pouca de Aguiar, Chaves, Valpaços, Montalegre e Cabeceiras de Basto, num investimento superior a 1500 milhões de euros e terá “uma potência instalada de 1158 megawatts que representará, quando construído, 6% da potência instalada em Portugal”, segundo a empresa espanhola. Anualmente, as três centrais deverão produzir o equivalente ao consumo de electricidade de 440 mil famílias.

Ler mais
Relacionadas

Iberdrola obtém financiamento de 400 milhões para a construção de sistema hidroeléctrico no Tâmega

Os fundos serão investidos no complexo hidroeléctrico bombeado a 1158MW a ser construído no norte de Portugal, que servirá também para integrar mais energia eólica e solar na rede.

GEOTA: “Obras como as barragens do Tâmega jamais deveriam entrar no categoria de ‘verdes'”

A coordenadora da GEOTA lamentou a obtenção de financiamento por parte da Iberdrola para a construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET). Ana Brazão revelou, ao Jornal Económico, que a GEOTA avançou com três queixas ao Banco Europeu de Investimento devido ao “desrespeito pelas populações que têm sido afetadas pelas obras”.

Fridão: GEOTA questiona valor pago pela EDP ao Estado

“O relatório das parcerias público-privadas (PPP) de 2009, documento auditado pelo Tribunal de Contas, indica um pagamento de apenas 70 milhões por Fridão e Alvito”, lê-se num comunicado enviado às redações, no qual se recorda que a empresa “pede devolução de 218 milhões pelo cancelamento”.
Recomendadas

CMVM aplica multas de 1,175 milhões entre julho e setembro

No terceiro trimestre de 2020, a CMVM proferiu decisão em seis processos de contraordenação, dos quais quatro por violação dos deveres de atuação dos auditores, dois referentes a deveres de intermediação financeira.

Lloyd’s com lucros de 783 milhões de euros até setembro. Caem 64% num ano

No acumulado dos nove meses, o banco liderado por António Horta Osório registou lucros de 707 milhões de libras (783 milhões de euros) o que traduz uma queda de 64% face aos nove meses de 2019. Imparidades de 4,119 mil milhões de libras justificam a queda dos resultados líquidos. Mas no terceiro trimestre o banco regressou aos lucros.

Cobertura dos media portugueses à Fórmula 1 gerou 13,1 milhões de euros em três dias

Estima-se que a realização do Grande Prémio de Portugal, em Portimão, gerou um impacto financeiro entre 40 a 50 milhões de euros. No que respeita à cobertura dos media portugueses, só as televisões geraram 10,9 milhões de euros, segundo uma análise da Marktest.
Comentários