Barragens no Tâmega vão forçar o abate de mais de mil sobreiros

Aos olhos do Governo, estes dois empreendimentos são de “imprescindível utilidade pública”. As duas barragens vão ser construídas pela eléctrica espanhola Iberdrola e vão custar mais de 1500 milhões de euros.

Mais de mil sobreiros, dos quais cerca de 40% são exemplares adultos, vão ser abatidos nas áreas que vão ser inundadas pela construção das barragens de Daivões e Alto Tâmega, em Trás-os-Montes, de acordo com um despacho publicado esta terça-feira, em Diário da Républica.

De acordo com a nota assinada pela secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza e pelo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, a Iberdrola “solicitou o abate de 444 sobreiros adultos e 701 jovens”, totalizando 1145 árvores, que se estendem por “cerca de 15,07 hectares”.

Esta não é a primeira vez que é autorizado o abate de sobreiros por causa dos empreendimentos hidroeléctricos do Tâmega. No final de 2016, o Governo deu luz verde à retirada de 608 árvores em cerca de 4,6 hectares localizados na área de construção da barragem de Gouvães, segundo o jornal “Público”.

O projeto de compensação das barragens de Daivões e Alto Tâmega implica a replantação dos sobreiros abatidos noutros pontos da região, com uma majoração de 20%. Ou seja, a Iberdrola tem que colocar mais de 1400 destas árvores.

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas aprovou o projeto da eléctrica espanhola, que passa pela arborização com sobreiro de uma área de 42,35 hectares nos perímetros florestais das serras do Barroso e da Cabreira.

GEOTA: “Obras como as barragens do Tâmega jamais deveriam entrar no categoria de ‘verdes’”

As três barragens e centrais hidroeléctricas que a Iberdrola está a construir no rio Tâmega (Gouvães, Daivões e Alto Tâmega) foram anunciadas como constituindo o maior empreendimento do género em toda a Europa, e o maior de sempre na Península Ibérica: abrange os municípios de Ribeira de Pena, Boticas, Vila Pouca de Aguiar, Chaves, Valpaços, Montalegre e Cabeceiras de Basto, num investimento superior a 1500 milhões de euros e terá “uma potência instalada de 1158 megawatts que representará, quando construído, 6% da potência instalada em Portugal”, segundo a empresa espanhola. Anualmente, as três centrais deverão produzir o equivalente ao consumo de electricidade de 440 mil famílias.

Ler mais
Relacionadas

Iberdrola obtém financiamento de 400 milhões para a construção de sistema hidroeléctrico no Tâmega

Os fundos serão investidos no complexo hidroeléctrico bombeado a 1158MW a ser construído no norte de Portugal, que servirá também para integrar mais energia eólica e solar na rede.

GEOTA: “Obras como as barragens do Tâmega jamais deveriam entrar no categoria de ‘verdes'”

A coordenadora da GEOTA lamentou a obtenção de financiamento por parte da Iberdrola para a construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET). Ana Brazão revelou, ao Jornal Económico, que a GEOTA avançou com três queixas ao Banco Europeu de Investimento devido ao “desrespeito pelas populações que têm sido afetadas pelas obras”.

Fridão: GEOTA questiona valor pago pela EDP ao Estado

“O relatório das parcerias público-privadas (PPP) de 2009, documento auditado pelo Tribunal de Contas, indica um pagamento de apenas 70 milhões por Fridão e Alvito”, lê-se num comunicado enviado às redações, no qual se recorda que a empresa “pede devolução de 218 milhões pelo cancelamento”.
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários