Ordem dos contabilistas denuncia pressão da banca para passar falsas declarações

Bastonária da Ordem dos Contabilistas (OCC) diz ter mais de 90 queixas sobre pressões da banca para que os contabilistas prestem falsas declarações acerca das quebras de faturação, que dão acesso às linhas de crédito.

Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) já recebeu mais de 90 queixas por parte de contabilistas que estarão a ser pressionados pela banca a prestar falsas declarações sobre quebras de faturação dos seus clientes de 40% ou mais, quando esta quebra não se verifica.

De acordo com a notícia avançada pelo “Jornal de Negócios“, esta sexta-feira, a OCC garante que as provas já seguiram para o Ministério Público, esclarecendo ainda que “falsas declarações neste âmbito é crime público“.

Paula Franco, Bastonária daquela Ordem, garante ao jornal da Cofina que o objetivo dessa pressão será permitir que as empresas acedam indevidamente à linha de crédito de mil milhões de euros para micro e pequenas empresas, que tem garantias do Estado. Essa adesão exige, precisamente que tenham sido registadas quebras de faturação de pelo menos 40% entre março e maio.

Recomendadas

Cerberus oferece 1 euro para comprar subsidiária francesa do HSBC

A Cerberus e outro investidor estão interessados no HSBC França mas querem que a casa-mãe capitalize em mais de 500 milhões de euros a subsidiária francesa.

OCDE pede mais esforço de governos e reguladores para a promoção da finança ESG

Os princípios de sustentabilidade ambiental, social e de governança (ESG) têm sido cada vez mais procurados pelos investidores como garantia da aplicação de qualidade de capital que investem, mas a OCDE pede mais transparência e uniformidade nas avaliações desta natureza

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.
Comentários