BBVA vai pedir nulidade da condenação da Concorrência. Multa ascendeu a 2,5 milhões

A Concorrência multou o BBVA a pagar 2,5 milhões por ter entrado no esquema de prática concertada de troca sensível de informação sobre concessão de crédito a particulares com outros bancos, mas o banco vai pedir a nulidade da condenação.

A sucursal portuguesa do BBVA – Banco Bilbay Vizcaya Argentaria, vai recorrer da decisão da Autoridade da Concorrência (AdC) que condenou o banco a pagar uma multa por ter trocado informação sensível sobre produtos da banca de retalho com outros bancos num esquema de prática de concertada.

O Jornal Económico apurou junto de fonte do setor financeiro que a multa do BBVA ascende a 2,5 milhões de euros.

Em comunicado enviado às redações esta terça-feira, dia 10 de setembro, o BBVA informou “que foi notificado da decisão da AdC sobre a prática de troca de informação comercial referente à oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente crédito habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas”.

“Perante esta notificação, o BBVA – Sucursal em Portugal, decidiu recorrer da respectiva sentença e pedir a nulidade da mesma”, lê-se na nota.

O BBVA junta-se assim ao Santander Totta, ao Millennium bcp e à Caixa Geral de Depósitos que também vão recorrer decisão da AdC. O BES também já anunciou que vai recorrer.

Esta segunda-feira, a Concorrência multou em 225 milhões de euros 14 bancos que, entre 2002 e 2013, trocaram informação sensível referente à oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente crédito habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas.

“Neste esquema, cada banco facultava aos demais, informação sensível sobre as suas ofertas comerciais, indicando, por exemplo, os spreads a aplicar num futuro próximo no crédito à habitação ou os valores do crédito concedido no mês anterior, dados que, de outro modo, não seriam acessíveis aos concorrentes”, lia-se no comunicado da Concorrência.

Os bancos visados sabiam  com particular detalhe, rigor e atualidade, as características da oferta dos outros bancos, o que desencorajava os bancos visados de oferecerem melhores condições aos clientes, eliminando a pressão concorrencial, benéfica para os consumidores”.

Autoridade da Concorrência multa 14 bancos em 225 milhões por prática concertada de preços na concessão de crédito

 

Ler mais
Relacionadas

BES vai recorrer da multa da Concorrência de 700 mil euros

“O BES vai contestar porque o banco desde 2014 não exerce atividade bancária, não tem clientes, não tem contas, não concede crédito, pelo que os cálculos da Autoridade da Concorrência não podem ter por base o negócio bancário”, disse um dos membros da comissão liquidatária do banco ao JE.

BCP vai recorrer da multa de 60 milhões de euros imposta pela Concorrência

Em comunicado divulgado pela CMVM, o BCP sustentou que “da decisão da AdC não resulta que as práticas de partilha de informação imputadas ao BCP tenham tido qualquer efeito negativo para os consumidores”.

Concorrência multa CGD em 82 milhões e BCP em 60 milhões

CGD vai recorrer, o mesmo sucedendo com o Santander, que foi multado em 35 milhões de euros e com o BCP. O BPI e o Montepio foram multados em 30 milhões e 13 milhões respectivamente.
Recomendadas

Banca, automóveis, petróleo e materiais são as melhores oportunidades de investimento, diz diretor do Bankinter

José Miguel Calheiros, diretor da gestão de ativos do Bankinter, antecipa que as taxas de juro na zona euro vão permanecer negativas “mais um par de anos”. O mercado bolsista norte-americano afigura-se como a melhor estratégia de investimento com retornos.

WiZink lança Unido, a primeira app em Portugal aberta a todos utilizadores

A app gratuita funciona de forma independente, está aberta e disponível para todos os utilizadores, independentemente das entidades financeiras em que sejam clientes.

CGD emite 500 milhões de euros em dívida a cinco anos a 1,25%

A Caixa Geral de Depósitos realizou hoje uma emissão de dívida sénior não preferencial (senior non preferred), no montante de 500 milhões de euros, com o prazo de 5 anos e uma taxa de juro de 1,25%.
Comentários