BCE vai comprar e aceitar obrigações verdes como garantia para refinanciamento

O Banco Central Europeu (BCE) indicou hoje que vai comprar e aceitar obrigações verdes vinculadas a objetivos de sustentabilidade como garantia nas suas operações de refinanciamento a partir de janeiro de 2021.

Segundo o BCE, estes títulos verdes com objetivos ligados ao ambiente serão aceites nos dois programas de compra de dívida que estão a ser aplicados neste momento para estimular a economia.

No futuro, as aquisições podem vir a ser alargadas se as empresas emitirem mais.

Os cupões destas obrigações devem estar vinculados ao cumprimento de um ou mais objetivos ambientais estabelecidos nas regulamentações da União Europeia ou das Nações Unidas em relação a alterações climáticas ou degradação ambiental, indicou a instituição.

Deste modo, o BCE e os bancos centrais apoiam “a inovação na área das finanças sustentáveis”.

O BCE compra obrigações verdes desde março de 2016, quando a emissão destes títulos aumentou rapidamente.

A emissão global de obrigações verdes era inferior a 1.000 milhões de euros em 2008, mas em 2017 alcançou 120.000 milhões de euros, segundo números do BCE.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha em alta graças à economia e às tecnológicas

A taxa de crescimento da maior economia do mundo surpreendeu os investidores. O crescimento do PIB e os resultados das empresas Facebook, Alphabet, Amazon e Apple puxaram pela bolsa de Nova Iorque que fechou em alta apesar da nova vaga da pandemia.

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

Lucro da EDP desce 8% para 422 milhões de euros nos nove meses

A energética salientou que prejuízo em Portugal foi de 23 milhões de euros, numa sequência de perdas que começou em 2018. A nível do grupo, o EBITDA – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – recuou 2% para 2.625 milhões de euros
Comentários